This content is not available in your region

Dubai quer ser um hub do metaverso

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Dubai quer ser um hub do metaverso
Direitos de autor  euronews   -   Credit: Dubai

O chamado futuro da Internet ainda não chegou, mas vai surgir em breve e está a ser desenvolvido no metaverso, com os early adopters a dizerem que é o momento de se juntar.

Mas para muitos de nós o metaverso continua a ser um mistério. De forma resumida, é uma realidade gerada por computador ou realidade estendida que inclui todos os aspetos de realidade aumentada, realidade mista e realidade virtual. Neste momento, é maioritariamente composto por espaços onde humanos e entidades automatizadas interagem.

As estimativas sobre o valor do mercado do metaverso nos próximos 15 anos variam, globalmente, entre os 10 e os 30 biliões de euros, evidenciando o enorme potencial da nova plataforma. O Dubai conta tornar-se líder mundial.

Até 2030, a estratégia Metaverso Dubai quer aumentar o contributo do setor para a economia para 4 mil milhões de euros.

Desde a criação de empregos, à melhoria das tendências tecnológicas e abertura a oportunidades de negócio, o plano é impulsionar a economia.

A estratégia pretende implementar tecnologias de metaverso que possam ajudar a melhorar o desempenho dos cirurgiões residentes em 230% e aumentar a produtividade dos engenheiros em 30%, além de ajudar 42 mil empregos a tornar-se virtuais.

O relatório anual do índice de pagamentos digitais da MasterCard mostrou que os consumidores estão de acordo com os tempos de mudança.

O diretor-geral da MasterCard para a região leste do Médio Oriente e Norte de África,  J.K. Khalil, disse à Euronews que a empresa verificou um crescimento de 67% nos pagamentos digitais e que adicionar o metaverso a esse tipo de matriz e ecossistema vai criar ainda mais oportunidades.

“Os nossos parceiros estão-nos a fazer muitas perguntas sobre o metaverso, quer sejam empresas do setor das Fintech, comerciantes ou bancos. Estão todos igualmente entusiasmados e curiosos sobre o metaverso e a ter discussões muito construtivas sobre essas parcerias daqui para frente.”

Investigadores dizem que, até 2026, um quarto de nós passará pelo menos uma hora por dia no metaverso a trabalho, para fazer compras, por motivos de educação, socialização ou entretenimento.

A Scopernia é uma empresa sediada no Dubai que ajuda marcas e organizações a entender novas tecnologias como a Web 3.0, a nova geração da Internet, e a aproveitar oportunidades para alcançar os consumidores.

Jérémy Denisty, Managing Partner para o Médio Oriente e Norte de África na Scopernia, disse que a grande área de interesse atualmente é o metaverso que permite cada qual fazer as próprias coisas.

"Ao criar algo, passamos a ser os donos. Se comprarmos uma camisa para um avatar é possível revendê-la a outra pessoa. Se quiser comprar uma terra, pode comprar. Pode comprar a terra, tornar-se proprietário e depois revendê-la", sublinhou.

Denisty acrescentou que a tangibilidade muda por completo a economia unitária.

“Significa novos modelos de negócios, novas formas de as pessoas investirem, novas formas de as pessoas construírem modelos de negócio. Então, está claro que é preciso uma estratégia para isso. Afeta pessoas como todos nós, mas também organizações. Abre um novo reino de possibilidades."

Briar Prestidge é a diretora-executiva e fundadora do Prestidge Group. Diz que descrever o metaverso neste momento é um pouco como descrever a Internet na década de 90.

Recentemente, passou 48 horas no metaverso para aprender mais sobre realidade virtual, sobre o que é que as marcas estão a fazer e sobre que diferentes coisas estão disponíveis nas plataformas.

"Como empreendedora tento sempre estar focada no futuro com o meu negócio. Na minha perspetiva, a Web 3.0 e o metaverso são apenas a próxima continuação da Internet. Assim, todas as empresas, na minha opinião, tornar-se-ão uma empresa da Web 3.0. Então queria começar a experimentar tudo por mim mesma."

Prestidge acrescentou que através da experiência pessoal encoraja as pessoas a ter curiosidade e começar a participar no metaverso. 

No início deste ano, a Autoridade Reguladora de Ativos Virtuais do Dubai tornou-se no primeiro regulador do mundo com o objetivo de fornecer um enquadramento para que as entidades financeiras operem no metaverso, incluindo, entre outros, os serviços bancários e estatais, demonstrando o compromisso em se tornar um player-chave no mundo virtual.