Última hora

Última hora

Ucrânia: O impacto económico do Euro 2012

Em leitura:

Ucrânia: O impacto económico do Euro 2012

Tamanho do texto Aa Aa

Dois estádios, quatro terminais de aeroportos e ainda novos comboios, hotéis e estradas. O governo ucraniano investiu milhares de milhões de euros na preparação para o europeu de futebol. Na “Estrada para o Euro 2012”, a euronews lança o olhar sobre o retorno financeiro do torneio e o impacto que terá na economia da Ucrânia.

Feita de ouro puro, a moeda comemorativa do Euro 2012 pesa meio quilo e vale cerca de 35 mil euros.

Enquanto os organizadores do Euro 2012 ainda pensam como vão recuperar os investimentos durante o mês do torneio, o Banco Nacional da Ucrânia já o começou a fazer. Os responsáveis dizem já ter recebido mais de 100 encomendas, um encaixe superior a 3,5 milhões de euros, só com a moeda dedicada ao campeonato europeu de futebol.

Mas as grandes expectativas da maioria dos empresários ucranianos em relação ao Euro 2012 parecem não se justificar.

Oksana KUZYAKIV, Diretora Executiva do Institute of Economic Research and Policy Consulting:

“Penso que se me colocasse a questão há um ano, eu ou qualquer empresário ucraniano estaríamos muito mais otimistas do que estamos agora”.

Segundo a diretora do instituto, o maior problema da Ucrânia, na preparação para o Euro 2012, foi a ausência quase total de investimentos privados. Todos os grandes projetos foram financiados pelo estado.

Oksana KUZYAKIV:
“É um sinal negativo que levanta várias questões: quem paga o Euro? Os contribuintes, os seus filhos. … e quando é que tudo estará pago e como será pago? Penso, por isso, que a influência do Euro na economia será neutra. Não terá efeitos negativos”.

Mais otimista na avaliação da preparação e dos impactos do Euro na economia ucraniana está um dos parceiros da consultora “Deloitte”, Andriy Stepanov:

“Não devemos medir o impacto do Euro 2012 tendo por base os efeitos a curto prazo que vamos ter durante o mês do torneio. Em primeiro lugar; 80% dos investimentos foram em infraestruturas básicas ligadas aos transportes ou ao turismo, entre outras. Nos últimos 20 anos, esses projetos foram pouco ou mesmo nada financiados e o Euro deu uma excelente razão para os desenvolver. Só os estádios é que são investimentos exclusivos no futebol, tudo o resto será utilizado diariamente durante as próximas décadas”.

Os dois especialistas concordam que o Euro terá efeitos a curto e longo prazo na Ucrânia. E os efeitos a longo prazo serão uma enorme e interessante experiência. A Ucrânia dá-se a conhecer a turistas, empresários e investidores de todo o mundo. Mas fazer fortuna no imediato será impossível.

Volodymyr Goncharov, diretor de uma das empresas patrocinadoras do Euro, concorda com esta ideia:

“Não vendemos lembranças a perder dinheiro, mas também não vamos ter um lucros impressionantes que permitam dizer que é um negócio fantástico”.

Vilen Matveev, da companhia responsável pelas ‘fan-zones’ de Kiev e Kharkiv, afirma que o Euro não será lucrativo mas sim um bom projeto de “branding”:

“Tenho de dizer que é, sem dúvida, um projeto muito arriscado e que os riscos só serão compensados pelo potencial de construção de uma nova imagem. Por ora, não vemos lucros incríveis. Os investimentos nas duas cidades rondam os 3 milhões de euros. Estamos à espera de um pequeno lucro líquido”.

As previsões mais otimistas dizem que a Ucrânia vai faturar cerca de 1000 milhões de euros durante o torneio. Por outro lado, segundo diferentes fontes, o investimento terá sido de 4 mil milhões de euros, apesar do presidente Viktor Yanukoviych falar numa soma um pouco menor:

“O orçamento ronda os 3,5 mil milhões de euros, 35 mil milhões de hryvan, na moeda nacional”.

Certo e sabido é que a Ucrânia não vai ganhar nos 30 dias do torneio o suficiente para cobrir as despesas. Mas o que o país de Leste pode ganhar em termos de visibilidade não tem preço. A imagem externa que pode vir a criar tem muito mais potencial do que o dinheiro em si.