Última hora

Última hora

Refugiados continuam a seguir para a Alemanha mas números situam-se abaixo das expectativas

Refugiados provenientes da Hungria continuaram a chegar a Munique na Alemanha este sábado. As autoridades receberam pelo menos 13 milhares, um número

Em leitura:

Refugiados continuam a seguir para a Alemanha mas números situam-se abaixo das expectativas

Tamanho do texto Aa Aa

Refugiados provenientes da Hungria continuaram a chegar a Munique na Alemanha este sábado. As autoridades receberam pelo menos 13 milhares, um número que fica aquém dos 40 milhares de refugiados que eram aguardados.

Na Áustria as autoridades estão igualmente a preparar-se para o afluxo de refugiados provenientes da Hungria.

Cerca de 700 refugiados chegaram ao final do dia à principal estação de caminho de ferro de Viena. Uma boa parte dos refugiados seguiu caminho em direção à Alemanha.

O chanceler austríaco, Werner Faymann, criticou ainda a Hungria pela forma como lidou com esta crise comparando as políticas adotadas à deportação nazi durante o Holocausto.

“A vida é impossível principalmente na minha cidade, Aleppo. Há três anos que não temos eletricidade e água. Temos que ir buscar água a poços. Não há internet, não há ligações, não há nada”, afirmou Saleem, um refugiado sírio proveniente de Aleppo.

“Deixei o Iraque porque a situação é horrível devido à guerra. Encontrar trabalho é muito difícil. Os radicais controlam grande parte do país, foi por isso que decidimos arriscar vir para a Alemanha e outros países para obter o estatuto de refugiado”, diz Mohammed, um refugiado iraquiano que chegou a Viena.

Na ilha de Lesbos na Grécia, trabalhadores de auxílio das Nações Unidas estão a acelerar o processo de registo de refugiados sírios a fim de aliviar a capacidade de alojamento na ilha que atinge apenas 5 mil pessoas.

Entretanto, ao largo da Sicília, uma embarcação francesa resgatou 140 refugiados cujo barco se encontrava à deriva no Mediterrâneo.

Os refugiados provenientes da Síria, Eritreia e Sudão foram transportados para o porto de Pozzallo onde foram recebidos por funcionários da Cruz Vermelha.