Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Dresden sob o feitiço de Richard Strauss

Dresden sob o feitiço de Richard Strauss
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A ligação de Richard Strauss à cidade de Dresden tornou-se mítica. Aliás, o seu legado ainda ecoa na capital da Saxónia. Para comemorar os 150 anos do nascimento do compositor alemão, a Ópera Semper levou à cena a comédia lírica “Arabella”, tendo como protagonistas Anja Harteros e Thomas Hampson. Uma homenagem devida – afinal, mais de metade das obras de Richard Strauss estrearam neste palco.

“Richard Strauss é um dos maiores compositores e pensadores de sempre. Ele adorava a ópera, a relação da palavra com a música – a música como linguagem e a palavra como metáfora”, declara o barítono. Foi em Dresden que Strauss acompanhou todos os ensaios de “Arabella” até à estreia. Estávamos em 1933. O seu grau de exigência era bem conhecido.

Segundo Anja Harteros, “por um lado, há uma complexidade na sua música e um grau de dificuldade também no ritmo e na tonalidade. É muito difícil de aprender. Por outro lado, há uma indulgência, uma atitude de desprendimento que habita a música, e que nos dá vontade de encostar e sonhar.” Sendo uma comédia lírica, há espaço para o desejo, o ciúme, e para inúmeras reviravoltas na estória de Arabella que sonha casar por amor. A soprano sublinha que gosta “particularmente deste papel pela sedução – é quase como uma gata que enreda todos os seus pretendentes num jogo. Mas quando aparece o homem ideal, Mandryka, ela percebe imediatamente que ele é o tal.”

Hampson afirma que o seu personagem “é um ser humano muito interessante. É um grande idealista. Tem uma noção do bem e do mal muito espontânea, muito direta, com a qual me identifico. (…) É uma ópera com um final feliz. Eles embarcam juntos na viagem ao comprender que a única maneira de ter um futuro é aceitar as manias um do outro, os erros, deitar fora todas as ideias feitas que tinham sobre o amor e a vida, e avançarem no seu próprio caminho. É uma mensagem intemporal.”