Última hora

Última hora

Papa Francisco apresenta mensagem política no Parlamento Europeu

Em leitura:

Papa Francisco apresenta mensagem política no Parlamento Europeu

Papa Francisco apresenta mensagem política no Parlamento Europeu
Tamanho do texto Aa Aa

Pela segunda vez na história, um Sumo Pontífice vai discursar no coração político da União Europeia.

O Papa Francisco visita, por algumas horas, a sede do Parlamento Europeu, na cidade francesa de Estrasburgo, esta terça-feira, para uma mensagem aos eurodeputados reunidos em sessão plenária.

A visita é classificada como claramente política porque o Papa não visita a Catedral de Estrasburgo, que celebra 100 anos em 2015; mas visitará o Conselho da Europa, dedicado aos Direitos Humanos.

João Paulo II foi o primeiro Papa a visitar o Parlamento Europeu, em 1988, e a União tinha apenas 12 Estados-membros, incluindo Portugal.

Mas ainda não tinha caído o muro de Berlim, e o Papa polaco deixou um apelo para que se olhasse mais para o Leste, o que acabaria por acontecer a partir de 2004.

Francisco é o primeiro Papa sul-americano da história, mas tem uma posição muito clara sobre os desafios do continente europeu.

A primeira viagem oficial que fez foi à ilha italiana de Lampedusa, para recordar os milhares de imigrantes que perdem a vida em nome do sonho europeu.

Para antecipar alguns dos temas mais importantes desta visita, a correspondente da euronews em Bruxelas, Margherita Sforza, entrevistou, em ligação via satélite com Roma, Franca Giansoldati, correspondente no Vaticano do jornal Il Messaggero, que já teve a oportunidade de entrevistar o Papa em exclusivo.

Margherita Sforza/euronews (MS/euronews): “Francisco é o primeiro Papa não-europeu. Como encara esta visita à sede do Parlamento, em Estrasburgo, depois das eleições e da renovação da liderança europeia?”

Franca Giansoldati/jornalista Il Messaggero (FG/Il Messaggero): “Em primeiro lugar, é um Papa não europeu que nunca falou sobre a União Europeia. Ele próprio já o admitiu várias vezes. Fez alguns comentários quando esteve na ilha italiana de Lampedusa ou quando foi visitado por alguns eurodeputados, mas nunca abordou a questão da chamada “casa comum”, que é o que pretende fazer agora”.

MS/euronews: “A primeira viagem do Papa foi a Lampedusa, em 2013. Que impacto teve sobre ele?”

FG/Il Messaggero: “A viagem ao Mediterrâneo, num barco da Guarda Costeira, permitiu-lhe aperceber-se de que esse mar se tornou um cemitério, o que o tocou profundamente…”

MS/euronews: “Nessa altura ele fez comentários muito fortes…”

FG/Il Messaggero: “Sim, palavras dirigidas ao coração das instituições. Não é admissível que morram tantas pessoas às portas das fronteiras europeias mas que, no coração das instituições europeias, se fique indiferente”.

MS/euronews: “Além da imigração, o Papa também se interessa pelo mundo do trabalho. Qual será a sua mensagem a este respeito?”

FG/Il Messaggero: “O segundo tema que ele vai abordar no discurso é a economia, o impacto social da economia. Não há esperança se não houver trabalho e se as políticas económicas não tiverem em atenção as necessidades das pessoas, das famílias. Mas acho que o Papa não vai abordar questões sobre bioética.”

MS/euronews: “Outra questão polémica na Europa é o casamento dos homossexuais. Qual é a posição deste Papa?”

FG/Il Messaggero: “É uma posição de não julgamento. Claro que o casamento homossexual não se enquadra na teoria da criação divina e o Papa é um defensor dos preceitos morais católicos. No entanto, Francisco convida os católicos a perceberem as mudanças na sociedade e que, face a pessoas que vivem de forma menos comum, não devemos julgar mas aceitar. A preocupação do Papa vai sobretudo para com os filhos dos casais homossexuais.”

MS/euronews: “Francisco é considerado como um Papa do povo, quase um esquerdista. De que forma está a reformar a Igreja Católica?”

FG/Il Messaggero: “A Igreja Católica apercebe-se de que se está a tornar minoritária na Europa, de que as igrejas estão vazias. É por isso que o Papa insiste em ir para as periferias, não apenas as periferias geográficas, mas também culturais, existenciais.”

MS/euronews: “Estamos diante de um Papa político, tal como foi João Paulo II?”

FG/Il Messaggero: “O que é interessa ao Papa é a política social. Mas não no sentido de fazer política. João Paulo II tinha um objetivo muito preciso, já que o mundo estava dividido pela “cortina de ferro” e a Igreja assumiu-se como um ator político. Ao contrário dele, Francisco prefere ficar nas margens da política e cuidar antes das pessoas.”