A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Vencedor do Prémio Sakharov alerta para horror da violência sexual

Vencedor do Prémio Sakharov alerta para horror da violência sexual
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O ginecologista Denis Mukwege foi recebido com grande entusiasmo no Parlamento Europeu para a cerimónia do Prémio Sakharov 2014, esta quarta-feira, em Estrasburgo.

O médico da República Democrática do Congo recebeu o galardão pelo trabalho em defesa das mulheres vítimas de violência sexual.

Mukwege disse que “o corpo da mulher tornou-se um campo de batalha e a violação é usada como arma de guerra. As consequências são múltiplas e têm impacto sobre o conjunto da sociedade: a célula familiar desintegra-se, o tecido social fica destruído, as populações são escravizadas ou forçadas ao exílio, numa economia em grande parte militarizada”.

O ginecologista pediu o apoio da comunidade internacional para ajudar as vítimas a obterem justiça e para travar a banalização destes atos.

O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, realçou que “a impunidade no uso da violação em contexto de conflito armado tem de acabar! Quando os comandantes militares praticam e impõem a violação, tal constitui um crime de guerra. E os crimes de guerra devem ser punidos enquanto crimes de guerra!”.

O médico de 59 anos já tratou mais de 40 mil mulheres e crianças no Hospital Panzi, em Bukavu, que fundou há 15 anos.

Por causa do ativismo social, Denis Mukwege foi alvo de uma tentativa de homicídio em 2012 e o seu nome tem sido apontado como possível candidato ao Prémio Nobel da Paz.