Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Plácido Domingo estreia-se como “Macbeth”

Plácido Domingo estreia-se como “Macbeth”
Tamanho do texto Aa Aa

“Macbeth” e a história de uma ambição sem limites sobem ao palco da Ópera Estatal de Berlim. A obra-prima de Giuseppe Verdi constituiu a primeira incursão do compositor italiano na dramaturgia de Shakespeare. Desta vez, Plácido Domingo estreia-se como Macbeth, sob a batuta de Daniel Barenboim. Nos últimos anos, o tenor tem cantado como barítono.

“Como tenor, era sempre o herói e sempre tentei evitar os maus da fita. Como barítono, tenho-me concentrado nas personagens dos pais e nos papéis positivos… Nunca pensei que iria fazer de Macbeth porque ele é realmente um assassino. Mas estudei muito bem a ópera e percebi que ele é uma vítima da Lady Macbeth”, descreveu Plácido Domingo.

Lady Macbeth, a esposa implacável, convence-o a matar para ser o rei da Escócia. A tragédia retrata a queda do casal provocada por Lady MacBeth e pelos poderes sobrenaturais. “Ele é louco porque matou”, continua o tenor, acrescentanto que vê a personagem como “completamente perdida”. “Ele esperava ser um bom rei. Esperava chegar a uma idade mais avançada rodeado de pessoas que o amam e não conseguiu”, conclui.

Macbeth acaba por ser morto pelo nobre Macduff, interpretado pelo tenor Rolando Villazón.

“Macbeth abriu um novo caminho a Verdi. Passou completamente para uma nova psicologia, muito mais negra, para uma forma complicada e nova de encarar os anti-heróis”, afirma Rolando Villazón.

Um novo papel para Plácido Domingo, depois de ter incarnado mil e uma personagens: “Depois de ter feito 145 papéis, é fantástico conseguir ter um novo.”

“Estou no palco e vejo-o nos ensaios. Oiço este artista incrível e é uma experiência maravilhosa estar a viver na mesma época que ele. Há a ópera antes e depois de Plácido Domingo”, conclui Rolando Villazón.

Bonus interview: Plácido Domingo