A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Vem aí Mani Haghighi com um Dragão pela mão

Vem aí Mani Haghighi com um Dragão pela mão
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

“Vem aí o Dragão !”, o filme do iraniano Mani Haghighi exibido no 66º Festival de Berlim, é uma incursão algo surrealista na história do Irão.

Uma espécie de parábola política, que tem como ponto de partida o assassinato do primeiro-ministro Hassan Ali Mansur, em janeiro de 1965, durante o reinado do xá Reza Pahlavi. Ali Mansur foi morto por membros do grupo Fada’iyan-e Islam (Devotos do Islão), que em 1979 apoiaria a revolução islâmica do ayatollah Khomeini.

O detetive Babak Hafizi (Amir Jadidi) foi encarregado de investigar o alegado suicídio de um prisioneiro político exilado na ilha de Qeshm. Para descobrir o que se passou, o detetive pede ajuda ao geólogo Behnam Shokouhi (Homayoun Ghanizadeh) e ao engenheiro de som Kevyan Haddad (Ehsan Goudarzi). No horizonte está a Savak (Agência de Inteligência e Segurança Interna), a polícia política do regime, que vai interrogar os três homens. À fento do interrogatório está um tal Javad Charaki (Ali Bagheri).

O filme mistura do princípio ao fim traços de documentário e um clima de ficção, realidade e mistério.

Haghighi já foi várias vezes convidado para a Berlinale. Em 2006 com o filme “Men at Work” e em 2012 com “Modest Reception”. Desta vez, recorreu a linguagens cinematográficas diferentes:

“Há uma certa flexibilidade no perfil neste filme. Tem algo de Philippe Marlow, há também Júlio Verne e Tintin, há elementos de ‘filmes de cowboys’ e do ‘Film Noire’. Aparece tudo misturado e a ideia é ver o que acontece quando misturas referências e tipos de cinema diferentes.”

“Vem aí o Dragão !” recorre a um certo surrealismo e ironia que fazem pensar também a alguns dos dramaturgos mais influentes do século passado. Haghighi confessa que colheu inspiração de Beckett, Ionesco, Pinter, para “sugerir a procura de algo que não está lá, mas que pode a qualquer momento mostrar a cabeça”.

A forma como o filme passa de um estilo a outro, misturando constantemente realidade e ficção, revela uma atitude muito particular de Mani Haghighi quando aborda a história recente do Irão. O realizador reconhece o peso das memórias dos tempos anteriores à revolução e constata que a vida nos faz perceber que “nem tudo aquilo que considerávamos importante até determinado momento, é assim tão verdade quanto quisemos acreditar”.

“Vem aí o Dragão !” integrou a mostra de Berlim como filme de encerramento da competição internacional. O Festival de Berlim dá um grande apoio ao cinema iraniano muito. Este ano houve quatro filmes iranianos em várias secções do programa. No ano passado o filme iraniano “Taxi”, de Jafar Panahi ganhou o primeiro prémio, mas o cineasta não foi autorizado a sair do país para participar do festival.

Em 2010 o Irão impôs a Panahi a interdição de fazer filmes por 20 anos e o realizador foi condenado a seis anos de prisão por “propaganda contra o sistema”. A pena foi depois comutada para prisão domiciliar, mas continua proíbido de deixar o país, de filmar ou escrever guiões. Sobre a censura, Haghighi admite que “É muito complicado, é uma situação muito complexa”, e acrescenta que se trata de “um labirinto no qual cada um tem de encontrar o caminho”, o que pode ser possível, com “alguma esperteza e um bocado de sorte”.

A história de “Vem aí o Dragão !” é o resultado da perceção e interpretação de diferentes realidades que se sobrepõem. O dragão que dá o título ao filme, tem o poder de fazer as pessoas falar em línguas estrangeiras. Ao recorrer a uma mistura de referências e tramas secundários, Mani Haghighi optou por um caleidoscópio de linguagens cinematográficas. Tudo isto para nos deixar diante de uma avalanche de imagens, como numa viagem na montanha-russa.