Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

A indústria dos efeitos especiais é um negócio chorudo para os centros de formação

A indústria dos efeitos especiais é um negócio chorudo para os centros de formação
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os efeitos especiais ocupam um papel central na indústria do entretenimento. Localizada em Hollywood, a Escola Gnomon é um dos vários estabelecimentos de ensino especializado nesta área lucrativa. A direção do estabelecimento afirma que 94% dos alunos que terminaram o curso em 2015 encontraram trabalho. A escola de efeitos especiais Gnomon foi criada por Alex Alvarez, em 1997.

Há novos estúdios na Ásia, na Indonésia e na Índia. Esta dinâmica vê-se no Canadá onde há muitos incentivos fiscais porque eles perceberam a importância da indústria dos efeitos especiais na área do cinema e da televisão.

O meu objetivo era criar um centro de formação profissional para as pessoas ligadas às artes, à escultura, ao desenho, ao grafismo, à pintura ou à arquitetura. São formações tradicionais que podem ser direcionadas para carreiras na indústria do entretenimento”, contou Alex Alvarez.

No primeiro ano, em 1997, a escola recebeu 50 alunos. Agora são 450 inscritos. A formação desenrola-se ao longo de dois ou três anos. Os estudantes têm à disposição estúdios onde podem fazer exercícios práticos. Há palestras, encontros com profissionais e estágios. Os alunos mostram-se satisfeitos.

“Em mais lado nenhum do país, há tantos profissionais reunidos no mesmo espaço, professores e estudantes
que aprendem e ensinam o processo de fabrico dos jogos, ao nível da conceção, do desenho, da textura e da modelagem. Aqui, o espírito de colaboração é incrível”, contou Brett Shields, estudante em design de jogos de vídeo.

“A escola está ligada a uma rede local de artistas, organiza ateliês e exercícios práticos. Os artistas explicam a forma como trabalham e temos acesso a produtores, o que é uma grande riqueza”, disse Thom May.

Atualmente, 50% dos estudantes orientam-se para carreiras no cinema e na televisão e os outros 50% viram-se para a indústria dos jogos de vídeo.

“Nos últimos cinco ou dez anos, a indústria de efeitos especiais tem-se expandido no mundo inteiro. As produções recorrem a estúdios noutros países devido à diminuição do custo do trabalho e aos incentivos fiscais. Há novos estúdios na Ásia, na Indonésia e na Índia. Esta dinâmica vê-se no Canadá onde há muitos incentivos fiscais porque eles perceberam a importância da indústria dos efeitos especiais na área do cinema e da televisão”, frisou Domenic Patten, jornalista do sítio Deadline.com.

Tendo em conta as receitas geradas por “Avatar”, 2,5 mil milhões de dólares e pelo jogo “World Warcraft”, 10 mil milhões de dólares, não admira que as escolas de efeitos especiais tenham um futuro promissor.