Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Italianos vigiam rios, recolhem amostras e limpam plásticos

Italianos vigiam rios, recolhem amostras e limpam plásticos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Já imaginou quanto plástico vai parar aos rios e quais são as consequências desse lixo para a saúde e para o ambiente? Cientistas e cidadãos europeus unem esforços para obter respostas.

Um grupo de cidadãos de Sambuca, em Itália, visita regularmente dezenas de sítíos nos rios para verificar os níveis de poluição e recolher amostras.

A iniciativa cidadã fornece dados preciosos à ciência e favorece a tomada de consciência face aos problemas ambientais.

"Fazemos três tipos de observação. Em dois casos utilizamos reagentes químicos que medem o nitrato e o fosfato. E, em terceiro lugar, há uma análise visual para saber se as águas estão turvas", contou Marco Giunti, um cidadão italiano envolvido no projeto europeu Poseidomm.

Os voluntários recolhem regularmente o lixo de plástico. Os microplásticos são uma das grandes fontes de poluição dos rios e mares. As amostras recolhidas permitem também detetar outros poluentes associados aos resíduos urbanos e industriais.

"Tomamos nota do local onde encontramos o lixo de plástico. Tomamos nota no papel e em suporte digital através de uma aplicação para telemóvel", explicou o cidadão italiano Andrea Vanni.

Os dados recolhidos pelos "cidadãos cientistas" de Sambuca e arredores são estudados no âmbito de um projeto de investigação europeu.

No laboratório, os investigadores analisam as amostras de água para verificar se contêm microplásticos. O filtro de papel é molhado com a água da amostra e aquecido até aos 900 graus. À medida que o filtro aquece os diferentes compostos volatilizam-se.

Cada composto tem uma temperatura de volatilização específica, o que permite identificá-lo. Por outro lado, as variações de peso da amostra permitem calcular o tipo e a quantidade de microplásticos.

"Queremos identificá-los por ordem para podermos encontrar e desenvolver métodos para reduzir esses poluentes que são uma grave ameaça para a fauna, para a flora e para todo o ecossistema", explicou Gemma Leone, investigadora e professora de Química no departamento de Biotecnologia da Universidade de Siena.

Para perceber melhor o efeito dos microplásticos, os cientistas recorrem a um ecossistema experimental onde é possível simular a vida microbiológica.

"Dentro das provetas, colocamos micropartículas de poliestireno para observar os efeitos da interação entre as micropartículas com a matéria orgânica. Verificamos o que acontece quando as expomos à luz. Tentamos simular, da forma mais realista possível, a superfície dos oceanos que está exposta às radiações solares", explicou Luisa Galgani, investigadora da Universidade de Siena e uma das principais cientistas do projeto europeu Poseidomm.

As mudanças moleculares são medidas através da ressonância magnética. O objetivo é perceber os vários impactos dos microplásticos nos processos químicos e biológicos marinhos.

"Ainda há muito por saber em relação ao impacto dos microplásticos. Nesta fase inicial, estamos a quantificar o que vai parar ao rio. Ainda não sabemos para onde vai uma parte do lixo e que efeito tem na fauna. Compreendemos certos aspetos, mas, ainda não compreendemos todo o sistema biológico e químico dos nossos corpos aquáticos", concluiu Steven Loiselle, coordenador do projeto europeu Poseidomm.