Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Ilan Pappé: "Europeus vêem política de Israel como 'apartheid'"

Ilan Pappé: "Europeus vêem política de Israel como 'apartheid'"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Stefan Grobe, euronews: "O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu chamou-lhe 'um dia glorioso para Israel'. Mas, em Bruxelas, a decisão unilateral de Donald Trump é vista como uma violação do direito internacional e das resoluções das Nações Unidas. É por isso que a União Europeia basicamente boicotou a abertura da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém, com a excepção - digna de nota - da Áustria, da República Checa e da Roménia. Outros governos europeus, como a França e o Reino Unido pediram a Israel que exerça contenção, face ao derrame de sangue na fronteira de Gaza. É, no entanto, muito pouco provável que Israel dê ouvidos aos europeus, o que testemunha a pouca influência que a UE tem no Médio Oriente. Questionámos um analista acerca da difícil relação entre a Europa e Israel."

Ilan Pappé, historiador israelita e fundador e diretor do Centro Europeu de Estudos Palestinianos: "Israel está a usar tanto intimidação como sedução para se virar para países pobres como a Roménia, ou países com uma espécie de passado duvidoso durante o regime Nazi, como a República Checa, e chantageá-los de certa forma para apoiarem a decisão norte-americana, deslocando as suas próprias embaixadas."

Na Europa, têm chovido as críticas pelo uso desproporcionado da força, com reações com a do ministro belga dos Negócios Estrangeiros, Didier, Reynders, que fez também um apelo ao regresso ao diálogo. Mas, para já, ninguém se atreveu a ir mais além, exigindo a imposição de sanções, apesar de, desta vez, a opinião pública parecer estar maioritariamente a favor da posição palestiniana.

Ilan Pappé: "A maior parte das pessoas que vive na Europa vê a política israelita a respeito da Palestina, da mesma forma que via a política do 'apartheid' na África do Sul, e o que pedia aos seus governos nessa época era que pressionassem a África do Sul para mudar de política e ideologia."

Stefan Grobe: "O embaixador austríaco em Israel disse que participar na cerimónia em Jerusalém foi uma cortesia diplomática e que a Áustria vai manter a sua embaixada em Telavive. Pode ser verdade, mas dá a impressão de que a Europa está, mais uma vez, desunida e portanto, sem voz ou poder no Médio Oriente, apesar de ser um generoso doador financeiro em termos de ajudas. A posição da Europa no conflito israelo-árabe tem sido sempre imparcial, promovendo uma solução de dois Estados como a única forma de criar uma paz duradoura, tratando ambas as partes com o mesmo respeito. A decisão da União Europeia de não seguir a posição unilateral de Trump de se pôr do lado de Israel, mostra outra forma de respeito: o respeito pelos seus próprios princípios."