Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

A sátira como forma de pensar o mundo

A sátira como forma de pensar o mundo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A galeria Saatchi em Londres reúne 170 obras de arte de vários artistas com um ponto em comum: todos eles recorrem à sátira para refletir sobre o mundo de hoje.

A exposição chama-se "Espelho negro, a arte como sátira".

"Pareceu-nos o título ideal para reunir um coletivo de artistas que desde há vinte anos realizam um trabalho que é como um espelho da sociedade. Muitas das obras têm um lado lúdico e interpretam as ansiedades, as reflexões históricas e as situações políticas", disse Philippa Adams, diretora da galeria londrina.

O desenho monumental de Dominic McGill representa o debate ideológico em torno dos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos. Os excessos do neoliberalismo são um dos temas de reflexao do artista.

"Quando concebemos o projeto, uma das nossas intenções era fazer um fresco histórico, à semelhança da Batalha de Gettysburg e das histórias da Bíblia. Pegámos em elementos do cartoon e em textos e juntámos tudo para criar um retrato da história contemporânea", explicou Dominic McGill.

​A instalação de James Howard é uma reflexão sobre o lado sombrio da Internet. As obras expostas datam de há dez anos.

"Se tentarmos encontrar o nosso lugar no universo, a Internet pode ser uma forma direta de o fazer porque na internet temos acesso a todos os comportamentos humanos.

Há alguns anos. a Internet era muito diferente de hoje. Não havia bons filtros de spam. Eu tinha acesso a sítios um pouco loucos na internet e recolhia material. Havia de tudo, coisas terríveis e coisas belas. Agora a internet é um sítio linear, diria mesmo, aborrecido. Eu queria recuperar coisas extremas porque são elas que nos contam coisas sobre nós próprios", explicou Howard.

A exposição pode ser visitada em Londres até 13 de janeiro. A entrada é grátis.