Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Subir à montanha para um festival de cinema diferente

Subir à montanha para um festival de cinema diferente
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Esqueça as lantejoulas, o tapete vermelho e os trajes de cerimónia. No festival internacional de cinema e música de Kustendorf, na Sérvia, é melhor usar botas e camisolas. Na sua 12ª edição, a ter lugar nas montanhas de Mokra Gora, o Festival foi criado pelo grande Emir Kusturica e visa promover o cinema independente, sendo parcialmente financiado pelo governo sérvio.

Este ano o evento reúne jovens cineastas e nomes consagrados do cinema. "Estamos no meio de uma fase de transição em que a tecnologia oferece maneiras fáceis de fazer muitos mais filmes do que no passado, mas sentimos falta do ativismo e das ideologias que tivémos nos anos 70 e acho que este local é especial, porque é uma espécie de refugio para a filosofia estética, a ética e todos os problemas da humanidade," afirmou Kusturica.

A alma anti-capitalista do festival é patente nos filmes exibidos na competição, como é o caso do All Inclusive, da suiça Corina Schwingruber. O filme, cuja história se desenrola durante um cruzeiro, denuncia a alienação da sociedade moderna, obcecada pelo entretenimento de massas.

"Eu espero realmente que as pessoas começem a pensar na forma como passamos as nossas férias, como, de facto, gastamos o quotidiano e a nossa vida inteira a consumir e não a pensar. É apenas um mundo de entretenimento, em que estamos constantemente a postar nas redes sociais. A forma como vivemos é um estilo de vida artificial," comentou Corina Schwingruber.

O filme Being More Like Bagsy, do realizador Mikkel Storm Glomstein, centra-se na questão da identificação de um ser humano com o seu emprego. Trata-se da história de uma mulher sem trabalho cujo encontro com uma agência de tratamento de resíduos lhe oferece a possibilidade para se sentir útil novamente para a sociedade.

Um político ecologista tornado cineasta, o realizador deixou o alerta: "Estamos a entrar num período em que podemos ver que muitas pessoas estão a tornar-se profissionalmente redundantes no sentido de que já não têm nenhuma função na economia. Acho que se não se começar a abordar estes problemas que são importantes para tanta gente, será muito difícil lidar com muitos dos desafios e com as questões da nossa era."

O ambiente na aldeia de Kustendorf é informal. Jovens realizadores juntam-se a cineastas famosos para compartilharem espaços, refeições e idéias durante os workshops organizados ao longo do dia tendo como pano de fundo uma paisagem montanhosa idílica.

E não faltam oportunidades para beber um café com estrelas internacionais do cinema.

Tais como Matt Dillon, o convidado especial da edição deste ano do festival, que narrou aos estudantes de cinema presentes alguns dos momentos mais anedócticos da sua longa carreira na indústria cinematográfica.

Matt Dillon, o convidado especial da edição deste ano do Festival Internacional de Cinema e Música de Kustendorf

A jornalista da Euronews Elena Cavallone perguntou ao cineasta se Hollywood está a mudar depois do movimento #MeToo. "Sim, embora acredite que não vivemos na censura. Às vezes as pessoas dizem algo e não podem dizer o que querem, e isso também é errado. Não respeito as pessoas que usam o seu poder de uma forma antiética," respondeu.

Ao fim do dia, o ambiente é de festa e de confraternização ao som de música tradicional. Músicos dos Balcãs e não só prestam homenagem às suas tradições e celebram a diversidade cultural inerente ao festival.