A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Brexit: Reino Unido prepara-se para escassez de medicamentos

Brexit: Reino Unido prepara-se para escassez de medicamentos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A eventual saída, sem acordo, do Reino Unido da União Europeia, no dia 29 de março, está a preocupar as empresas britânicas da área da saúde.

Os principais receios prendem-se com eventuais problemas nas redes que fornecimento que poderiam resultar num cenário de escassez de medicamentos e de material médico.

Para o farmacêutico Graham Phillips, "existem 84 produtos genéricos realmente importantes que não podemos obter hoje. Posso ver esse número a chegar aos 200. Prevejo que existam classes de medicamentos com as quais vamos realmente ter problemas e em alguns casos, vamos ter de trocar a medicação de alguns pacientes de um produto genérico para um produto de marca alternativo - e esperemos que o fabricante aumente a produção - que pode ser dez vezes mais caro".

O ministro britânico para o Brexit defendeu que os empresários deveriam apoiar o acordo alcançado por Theresa May e que a questão da saúde pública é uma prioridade:

"Em termos de medicamentos, o meu honrado amigo, o Secretário de Estado da Saúde e Assistência Social, tem deixado claro que os medicamentos, e também os produtos médicos, são a nossa prioridade número um, em termos do fornecimento de bens. A compra de barcos com maiores capacidades teve isso em conta", assegurou Stephen Barclay.

O Governo elaborou planos de contingência, em colaboração com empresas farmacêuticas e associações comerciais. Estão a ser armazenados medicamentos para garantir o acesso a fármacos vitais caso as cadeias de abastecimento sejam interrompidas devido a atrasos na fronteira.