Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Parlamento Europeu regula trabalho precário

Parlamento Europeu regula trabalho precário
Direitos de autor
EUTERS/Fabrizio Bensch
Tamanho do texto Aa Aa

"É cansativo e ganhamos menos" diz um motorista da Uber, serviço de transporte disponibilizado via aplicação digital, entrevistado pela euronews.

As queixas são comuns a muitos trabalhadores temporários, nomeadamente no setor dos serviços e na chamada economia de partilha.

Para lhes dar resposta, o Parlamento Europeu adotou nova legislação, terça-feira, sobre questões tais como tarefas, horários, salários, regras de exclusividade e compensação por cancelamento à última hora.

Direitos mínimos há muito devidos, segundo Esther Lynch, da Confederação Europeia dos Sindicatos: "Muitas pessoas que trabalham para as plataformas online - e essas plataformas são um bom cartaz publicitário às más práticas - enfrentam, invariavelmente, empresas cuja política é dizer que não tem nenhuma obrigação, mesmo ao nível da saúde e segurança do trabalhador".

"A partir de agora a empresa não poder usar esse tipo de argumentos. O trabalhador, o Estado e as empresas partem do princípio de que uma plataforma online assume as obrigações de um empregador", acrescenta.

Em causa estão as categorias de curto prazo, intermitente, pago com vouchers, estagiários e aprendizes, desde que trabalhem, no mínimo, três horas por semana e uma média de 12 horas por mês.

Os empregadores passam, também, a ser obrigados a dar formação, de forma gratuita, que conta como tempo de trabalho.

Estima-se que pelo menos três milhões de europeus poderão beneficiar desta lei. Os governos dos Estados-membros têm três anos para transpor a medida para a legislação nacional.