Última hora

Acordo comercial UE-Japão: A oportunidade para as pequenas empresas

Acordo comercial UE-Japão: A oportunidade para as pequenas empresas
Tamanho do texto Aa Aa

Nesta semana, no Business Planet, o nosso foco é o Acordo de Parceria Económica UE-Japão, que entrou em vigor no início deste ano, entre a UE e o Japão.

Apelidado de acordo de comércio de "carros por queijo", devido às oportunidades comerciais para as empresas japonesas e agricultores europeus, o Acordo de Parceria Económica UE-Japão (EPA) reduz os impostos sobre as importações japonesas e europeias, respectivamente. Em vigor desde fevereiro deste ano, os números principais do acordo são enormes - quase 30% do PIB global, 40% do comércio global e a maior zona de comércio livre do mundo, cobrindo 600 milhões de pessoas -, mas o que é que isso significa para os exportadores europeus, particularmente para as PME, e como as pequenas e médias empresas podem tirar o ma´ximo proveito disso?

Ver a luz no fundo do túnel

Desde medicina de precisão, mapeamento de computador a sistemas de segurança, os lasers são usados ​​em quase tudo. A Altechna é especialista na área. A PME lituana produz ótica e revestimentos a laser - ferramentas que podem transmitir e manipular a luz do laser. Sediada na capital Vilnius, a empresa possui uma base de clientes em todo o mundo. Isso inclui o Japão, que se tornou um grande mercado para a empresa.

"O Japão era o mercado para nós. É um centro de inovação global que enfatiza as tecnologias de ponta", explica Andrius Šlekys, chefe de desenvolvimento de negócios da Altechna.

Andrius acrescenta: “Achamos que era o lugar certo para oferecer as nossas soluções baseadas em laser. No entanto, entrar no mercado japonês não era fácil e precisávamos de ajuda.".

Os mesmos negócios, culturas diferentes

Para entender melhor a cultura comercial do país, os funcionários da Altechna participaram em vários programas executados pelo Centro de Cooperação Industrial UE-Japão, incluindo missões comerciais no Japão. Isso não apenas permitiu que os participantes vislumbrassem a vida comercial japonesa, mas permitiu que a empresa estabelecesse novas relações comerciais de longo prazo e, crucialmente, aumentasse as vendas.

"O Centro EU-Japão deu formação sobre como abordar a cultura local e como trabalhar em projetos de longo prazo com clientes japoneses. Isso permitiu-nos ter relações comerciais diretas com os nossos clientes-alvo. E isso foi ótimo porque nunca sentimos que estávamos sozinhos", diz Šlekys.

Financiado e gerenciado conjuntamente pela Comissão Europeia e pelo Japão, o Centro de Cooperação Industrial UE-Japão promove ativamente todas as formas de comércio bilateral, investimento e indústria entre as duas regiões.

Resultados a olhos vistos

Estima-se que o novo Acordo de Parceria Económica com o Japão reduza as tarifas dos exportadores europeus em cerca de mil milhões de euros por ano e possa aumentar as exportações europeias de 16% para 24% nos próximos 10 a 15 anos.

Apesar destes números, o responsável pelo Centro de Cooperação Industrial UE-Japão diz que as PMEs ainda precisam de saber o que estão a fazer em relação ao mercado japonês, para tirarem o máximo de proveito do acordo.

"Já existe uma quantidade enorme de comércio entre a Europa e o Japão. Muitas PME europeias estão a exportar para o Japão. A EPA certamente proporcionará um acesso mais fácil ao mercado japonês, mas, para que as PME tirem vantagem deste acordo, precisam de ser bem informadas, precisam de ser orientadas. Esse é o objetivo do serviço de assistência da EPA que implementamos ", explica Philippe de Taxis du Poët, diretor-geral do Centro de Cooperação Industrial UE-Japão.

Além do serviço de assistência da EPA, o Centro de Cooperação Industrial UE-Japão diz que está a oferecer suporte às empresas no Japão relacionadas com a transferência de tecnologia, propriedade intelectual e cooperação entre regiões e clusters.

Philippe de Taxis du Poët

Philippe de Taxis du Poët é o gerente geral do Centro de Cooperação Industrial UE-Japão. O Business Planet falou com ele para descobrir o que o centro está a fazer para ajudar as PME no que diz respeito ao acordo comercial UE-Japão recentemente acordado.

O que é o Centro de Cooperação Industrial da UE no Japão?

"O Centro da UE para Cooperação Industrial no Japão é uma iniciativa conjunta da Comissão Europeia e do Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão (METI), lançado em 1987, há 32 anos. O que fazemos é promover a cooperação em termos de indústria , comércio, investimento, pesquisa e inovação. Abrangemos todos os tópicos, desde inteligência artificial até nanotecnologia e economia circular".

Como o APE entre a UE e o Japão mudou as coisas em termos de negócios, principalmente para as PME?

"Isso facilita as coisas para os exportadores da UE, incluindo as PME europeias. Elas têm um acesso mais fácil ao mercado japonês. O desafio para as empresas europeias é, é claro, estar bem ciente do acordo, saber usá-lo. Eles têm coisas de fazer coisas, e se não o fizerem, não se beneficiarão do contrato. Por isso, o centro criou um serviço de assistência da EPA para orientá-lo e informá-lo."

Quais são os principais desafios enfrentados pelas pequenas empresas europeias e de que maneira vocês podem ajudar?

"Não é fácil acessar ao mercado japonês, e eu diria que há dois desafios principais - às vezes subestimados pelas empresas européias - e é por isso que criamos vários webinars ou workshops na Europa para preparar o terreno para os exportadores da UE para o Japão. O primeiro desafio é que levará tempo. Levará muito tempo fazer um acordo. Portanto, é uma questão de anos, não semanas ou meses. O segundo desafio é que, mesmo antes de falar sobre negócios, é importante construir uma relação, uma relação humana com as pessoas no Japão, construir confiança. E apenas depois poderá conversar sobre negócios de forma séria.".

Links úteis:

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.