This content is not available in your region

UE desenvolve alternativa que promete fazer sombra à Nova Rota da Seda

Access to the comments Comentários
De  Pedro Sacadura
euronews_icons_loading
UE desenvolve alternativa que promete fazer sombra à Nova Rota da Seda
Direitos de autor  JOHN THYS/AFP

A União Europeia (UE) está a desenvolver uma abordagem própria que promete fazer sombra à iniciativa chinesa da "Nova Rota da Seda."

Entre outros projetos, Pequim já investiu no porto grego de Pireu e tem interesse em Itália, o que mostra a importância do mar Mediterrâneo para projetos de transporte e infraestrutura.

Reunidos em Bruxelas, os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE decidiram dar, esta segunda-feira, um novo ímpeto à estratégia de uma "Europa Globalmente Conectada", demarcando um foco de investimento em infraestruturas e quadros regulamentares para ligar a Europa ao mundo a partir de 2022.

"[A abordagem] tem um propósito mais amplo de colocar a conectividade no centro de nossa política externa. Começámos a fazer isso há dois anos, com nosso acordo com o Japão. Mas atualmente é muito importante para nós olhar para os problemas de conectividade com o Médio Oriente, olhar para a Ásia Central e China. Mas não com a mesma abordagem e os mesmos objetivos que a China tem com a Nova Rota da Seda", sublinhou, em conferência de imprensa, o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell.

Melhor conectividade significa diversificação das cadeias de valor e redução de dependências estratégicas para a UE e parceiros.

Montenegro, por exemplo, está em apuros para pagar à China um empréstimo para construir a primeira autoestrada do país.

A investigadora Alicia García-Herrero, do think-tank Bruegel, lembrou, em entrevista à Euronews, que é preciso cuidado com o grau de dependência em termos de infraestruturas, mas também em termos comerciais: para evitar estrangulamentos em caso de problemas na cadeia de abastecimento.

“Ao importar, por exemplo, 90% de um produto crítico através de um porto que pertence à China e ao tentar depois, por qualquer motivo, argumentar contra a China, existem dois bottlenecks potenciais: nas importações e nos portos”. disse García-Herrero.

Em junho, o presidente dos EUA, Joe Biden, convenceu os líderes do G7 a apoiar uma “alternativa” à Nova Rota da Seda da China.

A UE sublinha a importância de parcerias de conectividade com países e regiões que comungam dos mesmos valores. Casos dos acordos assinados com o Japão ou a Índia, por exemplo, em matéria digital, de transportes e energia.