Última hora
This content is not available in your region

UE define condições para "relacionamento operacional" com talibãs

Access to the comments Comentários
De  Euronews
UE define condições para "relacionamento operacional" com talibãs
Direitos de autor  Darko Bandic/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Sem reconhecer formalmente um governo talibã, os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia admitem que terão de se relacionar com o movimento islamista.

Reunidos na Eslovénia, consideraram o futuro do Afeganistão "uma questão-chave" e procuraram formas de restabelecer a presença europeia no Afeganistão.

"Para poder-mos apoiar a população afegã, teremos de nos relacionar com o novo Governo no Afeganistão. Não se trata de reconhecer o Governo. É uma relação operacional", sublinhou o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell.

Para a Europa, a cooperação está refém do "comportamento" dos talibãs que será medido com base em cinco condições: prevenção da exportação do terrorismo, respeito pelos direitos humanos, criação de um governo inclusivo, autorização de acesso para ajuda humanitária e autorização da partida de afegãos e civis europeus que quiseram deixar o país.

Quando os talibãs assumiram o controlo do Afeganistão, a União Europeia e vários países do bloco decidiram fechar as embaixadas no país, limitando a esfera de influência.

O bloco comunitário mantém-se cauteloso no reconhecimento dos talibãs e de um novo governo, mas Bruxelas espera manter seguros quaisquer cidadãos europeus ainda em solo afegão e prevenir fluxos migratórios em massa. Para isso, é preciso estar presente e lidar com os talibãs.

A União Europeia também conta manter uma "presença conjunta" em Cabul.