Vídeo

António Guterres apelou à responsabilização de alegados crimes de guerra cometidos na Ucrânia