Última hora

Última hora

Orquestra Filarmónica de Viena

Em leitura:

Orquestra Filarmónica de Viena

Orquestra Filarmónica de Viena
Tamanho do texto Aa Aa

Entramos no reino de uma das mais prestigiadas orquestras do Mundo para um dos eventos musicais mais populares. Fomos até à capital austríaca para acompanhar a Orquestra Filarmónica de Viena e o seu famoso concerto de Ano Novo. O programa é tradição pura, composto, sobretudo, por obras da dinastia Strauss desde a fundação da orquestra em meados do século XIX.

O presidente da orquestra e primeiro violino, Clemens Hellsberg, explica: “É uma música muito vienense, uma forma vienense de exprimir e explicar a vida. A nossa orquestra está tão ligada a este género de música que a maioria de nós cresceu com ela. O que procuramos é um concerto, um género de música, que seja muito popular, mas, por outro lado, que tenha um elevado nível artístico, pois os trabalhos da dinastia Strauss são obras-primas”.

Aspecto inédito da orquestra, sediada no Musikverein, é que não há regente titular, mas regentes convidados para cada espectáculo. Para o concerto de Ano Novo foi o francês Georges Prêtre.

A Wiener é independente e gerida pelos membros que são também músicos fixos da Orquestra da Ópera Estatal de Viena.

Apesar do forte carácter centro-europeu da orquestra, alguns membros vêm de muito longe. Têm de adaptar-se, mesmo ao nível musical. O primeiro viola, Tobias Lea, vem da Austrália: “A forma como toco agora é verdadeiramente vienense. O que resta do meu carácter australiano é a liberdade oriunda do facto de ter crescido com o sol, na praia e ter usado chinelos nove meses por ano”.

Viena tem sido a cidade da música durante séculos e isso ressente-se, como explica Hellsberg: “A música sempre teve uma importância específica na família Habsburgo, assim como para os habitantes. Se caminhar pela cidade fico com a sensação que Mozart fez o mesmo percurso, que Beethoven viu construir este palácio, que Haydn esteve aqui, Brahms…”.

O presidente da orquestra deixa uma mensagem: “Política e economia ditam todas as regras. Mas estou convencido que o Mundo seria melhor se ouvisse mais a mensagem das artes”.

Mais sobre musica