Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Maestro Antonio Pappano dirige Sexta Sinfonia de Mahler

Maestro Antonio Pappano dirige Sexta Sinfonia de Mahler
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Sexta Sinfonia de Mahler abriu esta temporada no Auditório de Roma. 2011 celebra o centésimo aniversário da morte do compositor da Boémia. No comando, o maestro Antonio Pappano, com a orquestra da Academia de Santa Cecília.

“Começa com uma marcha. Pode-se imaginá-lo a caminhar para o ensaio, com o manuscrito debaixo do braço, a cabeça baixa, muito pequeno, cabeça grande… E ele está a andar com um objetivo, completamente obcecado com o que está a fazer. Isto seguido por uma coisa romântica e bonita que fala da mulher e da felicidade conjugal”, afirma Pappano.

“A Sexta Sinfonia é, absolutamente, o desejo, a vontade de viver e de lutar contra o último obstáculo: a morte”, sublinha o maestro.

Apesar do nome, Trágica, a Sexta foi composta num momento alegre da vida de Mahler. Tinha um casamento feliz. Tinha sido pai, recentemente, e era um diretor, bem sucedido, na Ópera Imperial, em Viena. Na altura, a capital cultural da Europa experimentava um florescimento literário, artístico e musical.

“Estamos a tentar obter a energia do Super-Homem. O que eu ouço aqui é apenas Clark Kent, não o Super-Homem!”, brinca Pappano.

A Academia de Santa Cecília é hoje uma das mais aclamadas orquestras na Europa. A contribuição do maestro Pappano tem sido vital.

Mahler também atuou em Roma duas vezes, em 1907 e 1910, e conduziu esta mesma orquestra.

Antonio Pappano sublinha que “Mahler é o compositor que não tem medo de expressar a parte mais profunda, mais suja e mais neurótica da psique humana”.

“Se nos envolvermos, isso pode comer-nos vivos!”, diz.

“Portanto, há uma certa dose de disciplina que se tem de obter para chegar até ao fim. O sentimento de lidar com estas emoções em público, quer para a audiência, quer para os músicos, é único”.

“O último movimento é uma tentativa para sobreviver e para viver”, interpreta o maestro.

“Eu acho que em cada sinfonia de Mahler, independentemente da energia que o maestro e os músicos tenham, quando se chega ao último movimento, é como se estivéssemos naqueles últimos metros para chegar ao topo do Evereste e pensássemos: ‘Como é que chegamos lá sem ter um ataque cardíaco?’”

“Somos ensinados para sermos disciplinados… Mahler dá-nos a hipótese de sermos seres humanos reais, com todos os defeitos à vista”, conclui.

Nesta reportagem, pode ouvir trechos da Sexta Sinfonia de Gustav Mahler (Movimento I, III e IV).

A orquestra da Academia de Santa Cecília vai efetuar, de 17 a 28 de março, uma digressão europeia: Reino Unido, Grécia, Alemanha e Bélgica.