Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Portugal e Brasil reconhecidos pela UNESCO

Portugal e Brasil reconhecidos pela UNESCO
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Dieta Mediterrânica e o Círio de Nossa Senhora de Nazaré são dois dos novos integrantes na lista de Representantes do Património Imaterial da Humanidade, para a qual 31 candidaturas estavam sob avaliação desde segunda-feira, à entrada para a 8.a sessão do Comité Intergovernamental da UNESCO, que decorre até sábado em Baku, capital do Azerbaijão. A proposta da Dieta Mediterrânica foi apresentada em conjunto por sete países: Chipre, Croácia, Espanha, Grécia, Itália, Marrocos e Portugal.

Para os portugueses, embora este seja transnacional, é o segundo título de Património Imaterial da Humanidade, depois de em 2011 o país se ter estreado na lista com a eleição do Fado. A participação portuguesa nesta proposta gastronómica foi conduzida pela comunidade representativa de Tavira, através da autarquia e do Museu Municipal.

A Dieta Mediterrânica já havia sido destacada em 2010, mas na altura cingia-se apenas a Espanha, Grécia, Itália e Marrocos. Agora, juntam-se também as “cozinhas” de Portugal, Chipre e Croácia.

Representando, por seu lado, o sétimo título de Património Imaterial da Humanidade para o Brasil, o Círio de Nazaré é uma procissão religiosa realizada desde 1973 na cidade de Belém, Estado do Pará, ao segundo domingo do mês de outubro.

A escolha de novas tradições como Património Cultural Imaterial da Humanidade é um dos pontos mais importantes na agenda desta sessão do Comité Intergovernamental. Cecille Duvelle, da UNESCO, admite que “património imaterial é uma expressa complexa”, mas sustenta que a mesma “descreve uma realidade muito simples”. “A palavra ‘imaterial’ dá a sensação de algo que não existe. Uma herança imaterial, porém, é algo muito concreto. Consiste em todas as expressões, habilitações e conhecimento que são passados de gerações em gerações e que fazem parte da nossa identidade cultural”, explicou a responsável pelo departamento do Património Imaterial da UNESCO.

Entre os nomeados para a lista de Representantes do Património Imaterial da Humanidade, além dos já referidos e aprovados Dieta Mediterrânica e Círio da Nazaré, podiam ainda encontrar-se os também já aprovados Washoku, nome pelo qual é conhecida a gastronomia tradicional do Japão, servida em especial na celebração do Ano Novo e na qual se pode incluir, por exemplo, o popular sushi; a apanha de camarão a cavalo, que se pratica na Bélgica; e, entre outras, a música e a dança da Índia.

Esta tendência de promover os tesouros imateriais nacionais a Património da Humanidade é ainda muito recente – está a celebrar, curiosamente, cinco anos. A sessão deste ano do Comité Intergovernamental coincide, por outro lado, com o 10.o aniversário da adoção pela Assembleia Geral da UNESCO da Convenção para a Preservação do Património Cultural Imaterial. O documento já foi ratificado por 156 países e na edição deste ano a mais participada de sempre – estiveram 116 países representados. Mas ainda há muito por fazer.

“Em dez anos, concretizámos uma primeira fase, que consiste nas ratificações, na afirmação do processo e na inscrição de muitos locais. Agora, temos de passar ao segundo passo e criar em todos os Estados Membros a perícia técnica, a competência e as habilitações técnica e institucional para dar seguimento a Convenção e ao objetivo proposto, que é, não só a inscrição na lista, mas sobretudo a proteção desta herança”, sublinhou à euronews Francesco Bandarin, subdiretor-geral da UNESCO para a Cultura.

Uma das listas mais importantes é a que reúne o Património Imaterial que necessita de ajuda urgente. Era a lista de candidatos mais pequena deste ano, com apenas 12 propostas. Destas, a primeira a ser aprovada foi a do Chovqa, um jogo tradicional no “anfitrião” Azerbaijão, que o ministro da Cultura e Turismo local descreve como “um dos vários antepassados do moderno polo.”

“A nossa tarefa”, salienta o responsável azeri, “é salvar e recuperar as tradições”. Olhando para o agora distinguido Chovqa, Abulfas Garayev garante que o Governo já tem vindo “a desenvolver novas quintas de criação de cavalos e a promover o jogo”. “Temos organizados pequenos torneios e notámos que esta modalidade tem o respeito e interesse das pessoas”, concretizou.

De acordo com os regulamentos da UNESCO, qualquer país que tenha património inscrito na lista de ajuda urgente está obrigado a tudo fazer para preservar essa herança imaterial que é de e para toda a Humanidade.