Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Espanha: O retorno dos judeus sefarditas

Espanha: O retorno dos judeus sefarditas
Tamanho do texto Aa Aa

Em 1492 os reis católicos de Espanha aprovaram uma lei para a expulsão dos judeus, o que os obrigava a converterem-se ao catolicismo ou ir para o exílio. As pessoas que deixaram Espanha foram denominadas judeus sefarditas. Os judeus exilados guardaram as chaves de casa, como recordação da pátria perdida.

Quinhentos anos depois, Espanha está a considera uma lei que vai conceder a cidadania espanhola aos descendentes dos exilados. Judeus sefarditas de todo o mundo podem ter dupla nacionalidade, com todos os benefícios associados à detenção de um passaporte da UE.

Para Alejandra Abulafia: “O passaporte espanhol significa um retorno à pátria perdida. É um símbolo de uma chave. Não acho que todos os sefarditas do mundo venham viver para Espanha, vão apenas pedir a cidadania e continuar nos seus países. A maior parte deles não tem qualquer interesse em viver em Espanha. Têm a chave, que é o símbolo da nostalgia e Espanha é a porta.”

A nova lei já foi aprovada pelo Conselho de Ministros Espanhol e deve entrar em vigor no início de 2015. Estima-se que entre 90 e 500 mil judeus podem vir a solicitar a cidadania espanhola ao longo dos próximos cinco anos, o que representa um custo de cerca de 300 milhões de euros para o país.

Juan Bravo diz que: “Há que cumprir a condição de ser sefardita de origem espanhola, para satisfazer esta condição a lista de critérios que estabelece a lei é ampla e aberta: há que ter conhecimentos de espanhol, do judeu-espanhol ou Ladino; provar que na certidão de nascimento ou casamento se reconhecem referências às regras do rito castelhano. Também se pode apresentar um certificado de autoridade rabínica da localidade onde a pessoa que solicita o direito reside; ou um certificado da federação das comunidades judaicas de Espanha.”

A lei destina-se a corrigir uma injustiça histórica, mas algumas pessoas questionam se este é o momento certo para levar a cabo esta iniciativa.

Isaac Querub explica: “Acreditamos que é sempre um momento propício quando um erro é corrigido, ou é feita justiça. Acredito que os judeus, especialmente os sefarditas sempre quiseram uma lei como esta. Acho que é um momento mais que pertinente e oportuno. É um momento de crise económica e, portanto, de crise política. Numa altura de partidos de extrema-direita ou de extrema-direita neo-nazi, como na Grécia, Hungria, Áustria, Finlândia, ou França, o governo espanhol tem uma iniciativa como esta. Esta lei visa emendar uma injustiça e corrigir um erro”.

Os judeus sefarditas exilados espalharam-se por todo o mundo, originalmente refugiaram-se no norte de África, sul da Europa e nos Balcãs. A partir de 1950, muitos deles mudaram-se para Israel. São aproximadamente 3 milhões e meio de pessoas, o que representa cerca de 18 por cento dos judeus de todo o mundo. Os que se opõem a lei argumentam que a concessão da dupla nacionalidade aos judeus sefarditas é dar-lhes um privilégio que se nega a outras comunidades estrangeiras a viver em Espanha.

Silka Erez é judia sefardita de Israel, que agora vive em Espanha e a mãe é judia sefardita de Jerusalém: “Decidi pedir a nacionalidade espanhola. Tenho todos os documentos, e estou a passar pelo processo há cinco ou seis anos. Aceitaram todos os papéis, mas ainda não a recebi. Os judeus em Israel têm muito respeito pelos sefarditas de Espanha, eram chamados de “Samaj Tet”, que significa “ sefardita puro”. E a linguagem, até agora, é o ladino, “españolit” em hebraico, que ainda é falado em Israel”.

A cidade de Toledo ficou historicamente conhecida como “Jerusalém ocidental”, e foi ocupada pelos cristãos, judeus e muçulmanos que conviviam pacificamente falando latim, árabe e hebraico.

“Na página sefardim.com existe uma lista exaustiva de apelidos judeus. Descobri os meus lá. Designam ofícios, trabalhos no campo e cidades , especialmente com uma comunidade judaica significativa. São sobrenomes personalizados para esconder os apelidos hebreus originais,” diz o tradutor Paco Vara.

Ao visitar uma das sinagogas mais bem conservadas de Toledo, Paco Vara fala sobre judeus convertidos: aqueles que, em 1492, decidiram permanecer em Espanha e converter-se à religião cristã. Paco Vara acrescenta: “São um povo que procurou viver à margem, escondido que chegou a esquecer completamente a sua cultura e uma herança secular. Passámos séculos sem saber o que éramos. De tal forma que questionamos de somos judeus? Espanhóis, quem somos? Somos de origem judia, tudo bem, mas em tudo o resto somos semelhantes.”

Segundo Isaac Querub: “Sefarad é um compêndio de coisas. Tem muito a ver com sentimentos, com nostalgia, tem a ver com a história. E também como há um projeto para o futuro. O de voltar, esperemos. Esta lei é pode significar a abolição do decreto de expulsão.”

O Palácio Alhambra em Granada também permanece como símbolo de outra cultura islâmica, outra cultura que contribuiu para a formação da atual cultura espanhola. Restam apenas alguns traços do Bairro Judeu . Durante o tempo da Inquisição ficou praticamente destruído. Beatrice Chevalier apresenta-se como sendo uma herdeira dos judeus que se converteram e, secretamente continuaram a praticar a sua religião. Ser sefardita é, para ela, uma herança que vale a pena preservar. É fundadora do Centro da Memória Histórica da Cultura Sefardita em Granada: “Para mim é uma missão. É um trabalho que queria fazer há anos, mas por razões pessoais foi difícil de realizar. Mas agora consigo fazê-lo. Depois de uma viagem a Israel há três anos, percebi que Granada precisava recriar a memória histórica dos judeus.”