A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Cinema árabe em destaque no Festival 'Cinémas do Sud' em Lyon

Cinema árabe em destaque no Festival 'Cinémas do Sud' em Lyon
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O filme egípcio “el Ott” retrata o tráfico de órgãos de crianças raptadas nas ruas do Cairo.

A estreia europeia da longa-metragem de Ibrahim El-Batout decorreu no último fim de semana, no festival Cinémas du Sud, no Institut Lumière em Lyon.

Depois do rapto da própria filha, a personagem principal decide vingar-se mas tem problemas de consciência porque não quer tornar-se num malfeitor.

Amr Waked incarna a figura do herói e é também o produtor filme. “Uma vez li uma notícia sobre a descoberta de corpos de crianças mutilados numa lixeira. Fiquei chocado ao tomar conhecimento dessa realidade”, disse o ator e produtor egípcio.

O argumento de “el Ott” inspira-se num dos mitos mais importantes do Antigo Egito, o mito de Osíris, onde um homem mata o irmão e corta-o em 14 partes. A mulher da vítima recupera os bocados e reanima o marido.

“O mito egípcio de Osíris foi a primeira narrativa sobre alguém que é cortado ao bocados de forma atroz e que se torna mais tarde o símbolo da ressurreição depois da morte”, contou o ator.

O veterano do cinema egípcio Farouk Al-Fishawy incarna o papel do mau da fita, num filme que lança um olhar crítico sobre a sociedade atual.

“O corpo é sagrado em todas as religiões, faraónica, judaica, cristã e muçulmana. Todas elas sacralizaram o corpo humano. Mas nós chegamos a um ponto em que desprezamos o corpo humano”, afirmou Amr Waked.

“Before Sowfall”, outro dos grandes destaques do festival, retrata os crimes de honra.

O argumento gira em torno de um jovem curdo iraquiano que decide matar a irmã porque ela abandonou o país de origem por amor. Uma obsessão que vai levá-lo a fazer uma longa viagem até à Europa.

Para o realizador o mais difícil foi encontrar a personagem principal. “O rapaz usou a própria roupa e os sapatos durante o filme. Eu queria que ele fosse autêntico e natural. Ele não tinha experiência em cinema, nunca tinha saído do Curdistão. Elec eram mesmo o rapaz da aldeia que eu tinha concebido no argumento”, contou Hisham Zaman.

“A vítima, neste filme, não é apenas a mulher mas também o homem e o rapaz. Podia ser uma criança europeia. Mas o destino fez com que ele vivesse numa zona geográfica onde há guerra. E esse facto afeta-o. Ele não pode ir à escola e aprende com a vida”, acrescentou o realizador norueguês de origem curda.

“Before Sowfall” venceu o prémio de melhor filme nórdico, em 2013, no festival de Göteborg.