Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Comissão Europeia apresenta Agenda para a Segurança em Estrasburgo

Comissão Europeia apresenta Agenda para a Segurança em Estrasburgo
Tamanho do texto Aa Aa

Contra as ameaças crescentes, o executivo comunitário propôs, entre outras coisas, a criação de uma célula antiterrorista ao abrigo do Serviço Europeu de Polícia, Europol.

A Agenda Europeia para Segurança para o período 2015-2020 foi apresentada no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, e substitui a estratégia anterior, adotada em 2010.

“Precisamos de partilhar mais informação, de cooperação operacional efetiva, de medidas adicionais de criação de confiança. Em particular devemos desenvolver cooperação judicial para complementar a cooperação na aplicação da lei. As agências europeias existentes têm de estar suficientemente equipadas e de trabalhar de forma mais estreita”, disse Frans Timmermans, primeiro vice-presidente da Comissão Europeia.

Pela voz do co-líder da bancada verde, Philippe Lamberts, chegaram as críticas ao excesso de ênfase colocado na recolha de informação: “Quando recordamos os ataques ao Charlie Hebdo, quando recordamos os ataques terroristas cometidos no Reino Unido ou em Espanha, apercebemo-nos que as pessoas que cometeram estes crimes eram conhecidas. Não é por falta de informação que não prevenimos estes atos, é por não explorarmos as informações de que dispomos.”

O líder socialista, Gianni Pittella, apoia as novas medidas para reforçar o conhecimento, mas lembra que nada poderá funcionar com falta de diálogo: “Por um lado, temos de fortalecer os sistemas de inteligência, a cooperação entre os serviços de inteligência da UE e outros países, sobre tudo no Mediterrâneo. Por outro lado, temos de apoiar o diálogo inter-religioso.”

A Europa procura novos caminhos para fazer frente aos desafios colocados com a proliferação do terrorismo, a criminalidade organizada e a cibercriminalidade, porque, independentemente da nação, o alerta continua a ser palavra de ordem.