Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

União Europeia solidária com França em matéria de defesa

União Europeia solidária com França em matéria de defesa
Tamanho do texto Aa Aa

Juntos e em uníssono no rescaldo dos ataques terroristas em Paris, os ministros da defesa da União Europeia apoiaram, de forma unânime, o pedido de assistência militar feito por França.

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, fez o anúncio numa conferência de imprensa conjunta com o ministro francês da Defesa: “Hoje, França pede a ajuda e a assistência de toda a Europa e toda a Europa, unida, responde sim.”

Perante os homólogos, o ministro francês da Defesa, Jean-Yves Le Drian, invocou o artigo 42.7 do Tratado de Lisboa, que contempla uma cláusula de defesa mútua em caso de um Estado-membro ser vítima de agressão no seu território: “É a primeira vez na história que se invoca este artigo. O nosso pedido teve apoio unânime, o que é um ato político de grande amplitude.”

O presidente francês, François Hollande, também referiu que neste momento as preocupações com a segurança são mais importantes do que o respeito pelo Pacto de Estabilidade. O comissário com a pasta dos Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, mostrou-se compreensivo mas defendeu o pacto: “Somos compreensivos. Esta Comissão tem coração, é humana. Acrescento que o Pacto de Estabilidade, contrariamente ao que possa ser dito a determinado momento, não é estúpido nem rígido. Sabe fazer frente a situações como esta e fá-lo-emos de comum acordo com as autoridades francesas.”

Depois do anúncio do presidente francês sobre a criação de novos postos de trabalho na polícia, Ministério da Justiça e vigilância das fronteiras, o primeiro-ministro, Manuel Valls, anunciou, esta terça-feira, que o país vai falhar as metas europeias de redução de défice público, por causa do reforço de meios de luta contra o terrorismo.