Última hora

Última hora

Mulher de bloguer Raif Badawi recebe Prémio Sakharov em nome de ativista

Em leitura:

Mulher de bloguer Raif Badawi recebe Prémio Sakharov em nome de ativista

Mulher de bloguer Raif Badawi recebe Prémio Sakharov em nome de ativista
Tamanho do texto Aa Aa

Ensaf Haidar, a mulher do bloguer saudita Raif Badawi, recebeu, numa cerimónia no Parlamento Europeu, esta quarta-feira, em Estrasburgo, o Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento, atribuído este ano ao ativista.

Ausente, por se encontrar a cumprir pena de prisão, Badawi foi elogiado pela “coragem para exprimir ideias”, entre apelos à libertação.

Acusado de insultar o Islão, de desrespeitar o rei e de ter violado as leis de ciber-segurança da Arábia Saudita, o autor do blogue “Free Saudi Liberals” foi condenado, em maio de 2014, a mil chicotadas, uma multa de mais de 200 mil euros e a dez anos de prisão seguidos de outros dez em que ficará proibido de viajar.

Em entrevista à Euronews, a mulher de Raif, mostrou-se orgulhosa com a distinção, que considera ser uma “mensagem de esperança”, e elogiou a força interior do ativista: “Claramente, o Prémio Sakharov é uma distinção de prestígio, com grande reputação na Europa. Espero que este prémio seja um ponto de partida para a libertação de Raif. Que lhe conceda a liberdade, como me deu a mim e aos meus filhos apoio moral. Espero que seja entendido em Riade como um sinal de apoio à libertação de Raif. Ele é um homem de paz, que falou de forma pacífica. A única arma que usou foi uma caneta. Por isso, espero que Raif esteja muito brevemente junto dos filhos.”

Margherita Sforza, euronews – Em 2009, viu-se obrigada a abandonar a Arábia Saudita e procurou asilo no Canadá. Raif está na prisão, já recebeu 50 chicotadas, e trata-se apenas de uma parte da sentença. Alguma vez olhou para trás e se perguntou se vale a pena?

Ensaf Haidar, mulher de Raif Badawi – “Estou convicta e tenho fé na causa de Raif, porque, em última análise, é um homem que se expressou de forma diferente. Estava no direito dele porque todo o ser humano tem o direito de se expressar. O importante é que esta liberdade de expressão é exercida de forma pacífica e que o discurso dele foi um discurso de paz. A arma é sempre uma caneta. Por isso, repito, estou convicta e tenho orgulho no que Raif fez. Orgulho-me por ter tido a coragem de se expressar de forma pacífica.”