Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Marc Pierini: "UE comprometeu-se numa diplomacia mercantil com a Turquia"

Marc Pierini: "UE comprometeu-se numa diplomacia mercantil com a Turquia"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em novembro do ano passado a União Europeia e a Turquia alcançaram um acordo sobre a questão dos migrantes e refugiados. A Comissão Europeia avalia agora os progressos que se fizeram. Marc Pierini, antigo embaixador da União Europeia para a Turquia e investigador na Carnegie Europe, comentou, em entrevista à Euronews, esta matéria.

Gülsüm Alan, euronews – O acordo é realista? Pode funcionar?

Marc Pierini, Carnegie Europe – A União Europeia comprometeu-se numa diplomacia mercantil com a Turquia que tinha poucas hipóteses de funcionar ou, por outro lado, teria grandes dificuldades. E é nesse ponto que nos encontramos. As dificuldades são inerentes à conceção. Trocámos promessas sobre vistos, sobre a negociação de adesão, por uma ajuda aos refugiados. São coisas que não têm nada a ver uma com a outra.

euronews – De que forma é que a Turquia pode gerir este fluxo de refugiados, que aumenta constantemente, e evitar que se dirijam para as portas da União Europeia?

Marc Pierini, Carnegie Europe – O problema é que na costa do Mar Egeu existem máfias a ganhar somas astronómicas. Mil milhões, dois mil milhões em 2015 para enviar pessoas para a morte. Basta que os militares e a polícia turca, que estão perfeitamente equipados, atuem para capturar estas pessoas que vemos na Internet, nas câmeras, em Izmir ou Bodrum.

euronews – É assim tão simples?

Marc Pierini, Carnegie Europe – Não quer dizer que seja simples, mas é um assunto que não é tratado. O novo afluxo de refugiados era previsível. Encontramo-nos num paradoxo. A Turquia diz que por agora não os deixa entrar, mas que autorizará em caso de necessidade. É o primeiro paradoxo. Segundo paradoxo: a União Europeia diz que se deve deixar entrar as pessoas e vigiar.

euronews – Existe falta de confiança entre as partes envolvidas? Porque é que vemos um bloqueio?

Marc Pierini, Carnegie Europe – O problema é a falta de confiança. O único diário de língua inglesa pró-governamental fala, esta manhã, da perversidade da União Europeia. Não existe, verdadeiramente, um clima de cooperação. Existe um clima de desconfiança. A mesma coisa se passa do lado europeu.

euronews – A Turquia acolhe, sozinha, quase três milhões de refugiados.

Marc Pierini, Carnegie Europe – Menos o milhão que partiu para a Europa. Os números oscilam, mas a Turquia acolhe muitos refugiados. O país foi bastante generoso. Os 15% de refugiados que se encontram nos campos são bastante bem tratados. Os outros tentam sobreviver com as poupanças. A Europa tem, inevitavelmente, de falar com a Turquia sobre a componente policial do problema. Não é aceitável pedir aos contribuintes turcos e europeus milhões para ajudar os refugiados – o que é uma boa ação em si mesmo – enquanto traficantes de seres humanos e máfias conhecidas enchem os bolsos.