This content is not available in your region

Azerbaijão reforça "poder absoluto" do presidente em consulta popular

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Azerbaijão reforça "poder absoluto" do presidente em consulta popular

A dinastia Alyev volta a reforçar o poder no Azerbaijão, com a convocação de um referendo à extensão do mandato do presidente, de cinco para sete anos.

O sufrágio agendado para a próxima segunda-feira, 26 de Setembro, foi duramente criticado pelos especialistas em constitucionalidade do Conselho da Europa.

A Comissão de Veneza denunciou a ausência de debates parlamentares ou consultas prévias, evocando uma decisão que confere um poder “sem precedentes” ao presidente do país.

Um deputado, Samad Seyidov, defende no entanto a medida:

“A estabilidade do estado e a governabilidade é estrategicamente importante. Se este referendo e as reformas associadas forem adotadas, vão garantir mais estabilidade, mais dinâmica e mais desenvolvimento para o país”.

A consulta popular representa uma reforma constitucional à medida de Ilham Alyev, cujo terceiro mandato consecutivo expira em 2018.

Ilham, que sucedeu na presidência ao pai, Heydar, tinha já modificado a constituição para pôr fim à limitação de mandatos, garantindo a possibilidade de uma presidência vitalícia.

Para Emin Aslanov, representante da Iniciativa Civil do Cáucaso, um projeto destinado a defender os direitos humanos no país:

“Na prática o presidente tem todos os poderes, mas ainda tinha algumas responsabilidades e limites. Com esta reforma ele pretende legitimar o poder absoluto”.

O reforço do poder do presidente que poderá antecipar eleições ou dissolver o parlamento de forma incondicional, ocorre num momento de crise numa região petrolífera seriamente abalada pela queda do preço do crude.

O relator da ONU para a situação dos defensores dos direitos humanos, Michel Forst, denunciou em Baku, a repressão do regime contra a sociedade civil, considerando a situação como, “a pior dos últimos 25 anos”.

“Os defensores dos direitos humanos têm sido acusados pelo poder de serem uma ‘quinta coluna’ dos governos ocidentais, ou agentes estrangeiros, o que leva a população a ter uma perceção errada do papel da sociedade civil”, sublinhou Forst.

O regime de Baku reagiu às críticas do enviado da ONU, assim como às reservas da Comissão de Veneza, considerando-as como “enviesadas” e reveladoras de “motivações políticas”.