Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Acordo UE-Canadá: Bélgica falha pazo para convencer Valónia

Acordo UE-Canadá: Bélgica falha pazo para convencer Valónia
Tamanho do texto Aa Aa

Em nome do que diz ser a defesa do modelo social europeu, o líder do governo da região belga da Valónia mantém o “não” ao acordo de comércio União Europeia-Canadá.

O socialista Paul Magnette explica que “o nosso pedido é que não haja tribunais privados que permitam às multinacionais atacar os Estados e fragilizar a legislação social, ambiental e os setores públicos. É um pedido que é largamente partilhado na Europa”.

Após a nova ronda negocial, o primeiro-ministro belga também já confirmou que não vai ser possível cumprir o prazo de segunda-feira à noite, dado pelo presidente do Conselho Europeu, para chegar a acordo com aquela região.

Por seu lado, o porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, disse que “neste momento precisamos de paciência. A Comissão continua disponível para ajudar, com todas as contribuições necessárias para que este processo seja bem sucedido”.

O acordo de livre comércio deveria ser assinado pelos 28 países da União Europeia e o Canadá, numa cimeira, na quinta-feira, mas é preciso unanimidade.

Um habitante da Valónia diz que “para mim está perfeitamente claro que é um motivo de orgulho. A Valónia mostra um caminho alternativo, nomeadamente face ao que é defendido pela Comissão Europeia, ao defender um equilíbrio de poderes. O poder não pode ficar todo do lado do comércio. Estou muito orgulhoso”.

Quando a Bélgica assina um tratado internacional, seja ele bilateral ou negociado pela Comissão Europeia, em nome dos Estados-membros, e o seu conteúdo afeta as competências das regiões ou comunidades (francófona, flamenga e germanófila), todos os níveis de poder envolvidos têm de dar a sua autorização.

Face a este impasse, Charles Michel indicou que voltará a falar com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, para o informar oficialmente dos últimos desenvolvimentos, que poderão levar ao cancelamento da prevista deslocação do primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, a Bruxelas.