A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Trump insiste que houve milhões de votos "ilegais" em Hillary Clinton

Trump insiste que houve milhões de votos "ilegais" em Hillary Clinton
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Donald Trump continua a afirmar que milhões de pessoas votaram ilegalmente nas eleições presidenciais, mas não apresenta qualquer prova para corroborar o que diz.

O republicano Paul Ryan, líder da Câmara dos Representantes já disse que “não viu nenhuma prova que vá nesse sentido” e que deixou isso claro ao presidente.

Os republicanos estão preocupados com os efeitos que as alegações de Trump podem ter na credibilidade do sistema eleitoral norte-americano.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, afirma que a “crença” do presidente numa “fraude eleitoral” assenta em “estudos e provas que as pessoas lhe apresentaram”.

As alegações de Trump já foram contestadas em vários fóruns.

Trump ganhou o Colégio Eleitoral, com 304 grandes eleitores, mas teve menos cerca de 2,9 milhões de votos do que Hillary Clinton nas eleições presidenciais do passado dia 8 de novembro.

Segunda-feira, o novo presidente dos Estados Unidos disse aos líderes do Congresso que só perdeu o voto popular porque houve três a cinco milhões de votos “ilegais” em Hillary Clinton, renovando alegações sobre fraude eleitoral, que já tinha levantado durante a campanha e que nunca provou.