Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Morfu, onde o braço de ferro cipriota se concentrou

Morfu, onde o braço de ferro cipriota se concentrou
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar das negociações recentes, Chipre continua uma ilha dividida. Há quem garanta mesmo que é um contexto irreversível. Outros acreditam que a reunificação não está fora de alcance. O Insiders foi até Morfu, uma localidade que assistiu a um êxodo massivo em 1974.

No norte de Chipre, perto da cidade de Morfu, há laranjais a perder de vista. Os habitantes de toda esta zona falam turco. No sul desta ilha mediterrânica, há muito dividida, a língua é o grego. Em janeiro decorreu um encontro em Genebra para falar de novo sobre a reunificação, envolvendo as chamadas “potências garantes”: Reino Unido, Grécia e Turquia. Mas o braço de ferro continua.

Em 1974, Chipre separou-se em duas partes. Perguntamos a Ramadan Kandulu, dono de um laranjal, se é ou não possível reverter isto? “Para mim, é impossível voltar a juntar as duas partes. É como se uma das metades fosse uma laranja e a outra uma maçã… Não dá para uni-las”, diz-nos.

“Nós somos turcos, eles são gregos, é tudo diferente!”

Há 43 anos, o conflito levou à deslocação de dezenas de milhares de habitantes: os cipriotas gregos de Morfu vieram para o sul, enquanto que os cipriotas turcos fugiram para o norte. Foi o que aconteceu com a família Kandulu. As casas que ficaram desocupadas foram distribuídas por sorteio, ou seja, os Kandulu passaram a viver numa residência que pertencia a uma família cipriota grega.

“Esta casa pertence-nos agora. Tenho um certificado que comprova que é minha. Os cipriotas gregos dizem que nada disto é reconhecido internacionalmente. Eu não quero saber se é reconhecido lá fora. Eu vivo nesta casa há 43 anos. É uma vida” afirma Ramadan Kandulu.

Em 2004, os cipriotas gregos rejeitaram massivamente em referendo o plano de reunificação proposto pela ONU, ao contrário dos cipriotas turcos: na altura, 65% disseram “sim”. Hoje em dia, muitos não escondem as reticências.

“Nós somos turcos. Eles são gregos. As religiões são diferentes, as línguas são diferentes, é tudo diferente! Deixe-me colocar-lhe uma pergunta: alguma vez ouviu falar em problemas depois de 1974? De pessoas a matarem-se, como na Síria ou noutros países? Não. E isso explica-se pela presença do exército turco”, salienta Ali, filho de Ramadan.

“Não me importa se o presidente se chama Nikos ou Yannis ou Mustafa ou Ahmed”

Michael Georgiades considera “inadmissível” a presença de 30 mil soldados turcos no território. Este cipriota grego teve de fugir de Morfu quando tinha 18 anos. A família possuía também um laranjal que Michael pretende reaver. Nas negociações que decorreram recentemente, uma das grandes exigências do lado cipriota grego era a restituição de Morfu, que visita agora.

“Nesta praça havia uma igreja… Lembro-me de muita coisa que vivi aqui: lembro-me da Páscoa, lembro-me do Sábado de Aleluia, lembro-me de haver aqui muita gente a celebrar na Páscoa exatamente. Hoje em dia, a igreja tornou-se numa mesquita. Isto deixa-me muito triste e muito revoltado. Lembro-me de vir aqui em 2003. As portas estavam abertas e eu entrei. As luzes são as mesmas. Mas não há estátuas, não há mobília. Subi ao primeiro andar, encontrei os antigos sinos no chão e grande parte dos móveis da igreja destruídos…”, conta-nos.

Fomos ao encontro de Elena Georgiou, em Limassol, no sul. Vem de uma família cipriota grega, proveniente também de Morfu. “A foto que tenho no meu mural do Facebook diz: ‘Morfu é a minha terra! Quero a minha casa de volta. Quero a minha cidade!’. Esta outra foto é de quando eu era criança, na nossa varanda. Ainda sinto o cheiro das laranjas, crescemos com ele”, lembra.

Também Elena vive numa casa que pertencia a cipriotas turcos. Para ela, tanto faz que o presidente, em caso de reunificação, seja cipriota grego ou cipriota turco, católico ou muçulmano. O que realmente importa, diz, é que lute pelo bem comum: “Fala-se num futuro governo com cipriotas gregos e cipriotas turcos. Para mim, são todos cipriotas. Não me importa se o presidente se chama Nikos ou Yannis ou Mustafa ou Ahmed. Uma federação seria a solução perfeita”.

Hatice e Larkos vivem em Kiti, uma localidade no sul. Ele vem da comunidade grega, ela é de origem turca. Têm um grupo de música no qual cantam em ambas as línguas e um casamento que se tornou num símbolo de uma união alargada.

“Nós somos cipriotas cipriotas. Temos todos a mesma origem”, considera Hatice. “Temos de perdoar, não esquecendo o passado. Mas chegou uma nova era: vamos aproveitar para nos unirmos”, remata Larkos.

Insiders - Filming in Cyprus