Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O longo mergulho final da Cassini em Saturno

O longo mergulho final da Cassini em Saturno
Tamanho do texto Aa Aa

NoLaboratório de Ciência Espacial Mullard, no sul de Inglaterra, encontram-se cientistas que trabalham na missão Cassini-Huygens em torno de Saturno. Já conseguiram aterrar uma sonda na lua Titã e descobriram um oceano de gelo no satélite naturalEncélado. Neste momento, a missão orbita entre os anéis de Saturno e o planeta em si, antes de se despenhar em setembro.

É a partir de um cenário idílico, no meio do campo, que um grupo de especialistas estuda o planeta mais curioso do sistema solar. Como explicar de forma simples a etapa final da aventura Cassini, que culminará em setembro quando a sonda mergulhar em Saturno?

“Há vários anos que a Cassini orbita em torno do planeta. A lua Titã tem servido para mudar a órbita. Foi o que aconteceu no final de abril. E a parte mais entusiasmante é que vamos transitar entre a atmosfera e os anéis 22 vezes até ao fim da missão em setembro. Ao atravessarmos os anéis podemos medir a distribuição de massa e determinar finalmente a quantidade de matéria que orbita em torno do planeta”, diz-nos o investigador Geraint Jones.

“Ainda não conseguimos perceber a duração de um dia em Saturno”

Uma das grandes descobertas até ao momento é a ausência de partículas de matéria nos dois mil quilómetros que separam os anéis gelados das camadas superiores de nuvens de Saturno. A professora Michele Dougherty, do Imperial College de Londres, salienta o quanto temos ainda por descortinar.

“Não sabemos o que há no interior do planeta. Achamos que existe um núcleo sólido e uma camada líquida por cima que gera um campo magnético. Outra coisa, e é uma vergonha reconhecer isto: há 13 anos que lá estamos e ainda não conseguimos perceber a duração de um dia em Saturno”, explica.

Saturno é um imenso planeta gasoso constituído, a 75%, por hidrogénio. Segundo Michele Dougherty, “uma das perspetivas mais interessantes é no seu polo norte, onde se forma uma estrutura hexagonal na atmosfera. Ao observar a rotação dessa estrutura ao longo do tempo, é possível ter uma noção da dinâmica da atmosfera, da matéria que circula de baixo para cima. Alguns dos instrumentos da sonda podem dizer-nos que tipo de moléculas estão presentes. Ou seja, podemos quase saborear a atmosfera sem entrar nela”.

As luas de Saturno são tão misteriosas como o planeta. Em 2005, a Cassini lançou a sonda Huygens, da Agência Espacial Europeia (ESA), em Titã, um mundo onde chove uma substância semelhante ao petróleo.

Jean-Pierre Lebreton, da ESA, afirma que “a temperatura na superfície de Titã é de cerca de 180 graus negativos. As paisagens são muito idênticas às que existem na Terra: há rios, lagos, mares, oceanos de metano, praticamente. A chuva é uma mistura de metano e etano. Há muitos fenómenos geofísicos em Titã que nos fazem lembrar a Terra. Mas os ingredientes são muito diferentes”.

Sinais de vida em Encélado?

Outra lua que fascina os cientistas é Encélado, que tem apenas 500 quilómetros de diâmetro.

“Descobrimos que Encélado está coberta de gelo. No polo sul, há fendas nesse gelo. E dessas fendas saem jatos de matéria. A Cassini sobrevoou esses jatos em 2008 e identificou a presença de água salgada, amoníaco, silicato e hidrocarbonetos. São compostos interessantes se estivermos à procura de vida”, declara Sheila Kanani, da Royal Astronomical Society.

“Temos aqui um extintor para nos ajudar a ilustrar as colunas de vapor de Encélado. O vapor sai realmente projetado. Isto serve para mostrar até que ponto Encélado é ativa e como esta lua fica coberta de matéria projetada. Na verdade, é o objeto mais brilhante do sistema solar. Esta matéria preenche também um dos anéis mais vastos de Saturno. Daí a importância deste satélite”, aponta.

O fim da missão Cassini está previsto para o dia 15 de setembro, quando a sonda será deliberadamente projetada sobre as nuvens de Saturno onde irá desintegrar-se, não sem antes enviar informações para a Terra.

“O fim será triste mas destina-se também a recolher dados durante a descida. A órbita vai reduzir-se progressivamente. Durante a abordagem, os instrumentos da Cassini vão recolhendo amostras, de forma a identificarmos a composição da atmosfera. Na última fase, a sonda vai começar a incendiar-se, acabando por tornar-se parte de Saturno. É assim que vai ser o fim desta missão que foi muito bem-sucedida”, salienta Geraint Jones.