Última hora

Última hora

Juan Diego Flórez impressiona em "Lucrezia Borgia"

Em leitura:

Juan Diego Flórez impressiona em "Lucrezia Borgia"

Juan Diego Flórez impressiona em "Lucrezia Borgia"
Tamanho do texto Aa Aa

Um dos destaques repletos de glamour do Festival de Salzburgo deste ano é a obra-prima de Donizetti “Lucrezia Borgia”.

No palco, um elenco com a estela dos nossos tempos, o tenor Juan Diego Flórez. No auge da carreira, impressionou na estreia deste papel: “Sempre quis cantar em Lucrezia Borgia e fazer o papel de Gennaro também porque o meu ídolo, Alfredo Kraus, costumava interpretá-lo. Existe uma gravação… Mesmo sendo a minha estreia, praticamente já conhecia a ópera por ter ouvido essa gravação”.

Realizar a ópera em versão concerto permite que os cantores se concentrem exclusivamente na música: “Podemos concentrar-nos no canto e no “bel canto”, especialmente. É agradável, porque o “bel canto” concentra-se na voz, é a montra da voz – ao cantar de uma forma muito virtuosa. Em concerto é possível apreciar bem este aspeto”.

A ópera melodramática que estreou no La Scala, em 1833, é baseada numa peça de Victor Hugo. Uma Lucrezia vingativa envenena acidentalmente o filho. É uma trama negra, mas melodicamente opulenta: “Donizetti é famoso pelas belas melodias, com magníficos “legatto” que “pintam” a música.

“Cantar “bel canto” não significa apenas produzir tons ou sons.
“Bel canto” traduz-se numa beleza do canto. “Implica uma alta qualidade da voz, a técnica e a pronunciação certas. “No “bel canto” é possível fazer florescer uma cadência”.

“Este florescer, este adornar, também significa adicionar notas altas, por exemplo. E, no final das arias continuar na nota alta com a orquestra a tocar alto, alto, alto e depois acaba”, conclui Juan Diego Flórez.

Mais sobre musica