Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Tensão belgo-espanhola aumenta devido à crise catalã

Tensão belgo-espanhola aumenta devido à crise catalã
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A liberdade condicional aplicada a Carles Puigdemont e a quatro conselheiros do ex-governo regional da Catalunha, pela justiça belga, ameaça causar ainda mais dano à já tensa relação entre este país e Espanha.

Durante o fim de semana, Jan Jambon, vice-primeiro ministro da Bélgica, que é um nacionalista flamengo, criticou o governo central de Madrid pela gestão da crise na Catalunha.

Em resposta, Esteban González Pons, eurodeputado espanhol de centro-direita, disse que Jan Jambon “pertence a um partido colaboracionista da ocupação alemã durante a Segunda Guerra Mundial. É um partido xenófobo, muito complicado. Não é um parceiro recomendável para ninguém”.


Em causa está a decisão da justiça espanhola de deter vários políticos catalães do movimento pró-independência.

Mark Demesmaeker, eurodeputado do partido nacionalista belga N-VA, realçou à euronews a independência do sistema belga, dizendo que “esta é uma questão sobre a qual cabe a um juiz decidir, não é algo em que os partidos políticos possam intervir”.

“Temos um sistema judicial independente, ao contrário do sistema espanhol que está extremamente politizado”, acrescentou.

O ex-primeiro-ministro socialista da Bélgica, Elio di Ruppo, também se mostrou crítico do governo de Espanha, escrevendo, no Twitter, que “Puigdemont abusou da sua posição, mas Rajoy comportou-se como um franquista autoritário. Vamos trabalhar no sentido de uma Espanha mais federalista”.

O governo espanhol manifestou, segunda-feira, o seu “máximo respeito” pela decisão do juiz belga.