Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Autarcas independentistas visitam Puigdemont

Autarcas independentistas visitam Puigdemont
Tamanho do texto Aa Aa

Sob um coro de apelo à liberdade, o líder destituído do governo regional da Catalunha falou para os cerca de 200 autarcas independentistas que se deslocaram, terça-feira, a Bruxelas, para lhe dar o seu apoio.

Carles Puidgmont aproveitou para colocar uma pergunta aos líderes comunitários sobre as eleições convocadas para 21 de dezembro.

“Senhor Juncker, Senhor Tajani, vão aceitar ou não o resultado das eleições catalãs? No caso de os catalães manterem o apoio aos independentistas, no governo e no parlamento, e escolherem democraticamente criar um Estado independente, vão aceitar isso ou não?”


Os autarcas não foram recebidos por instituições comunitárias, mas fizeram-se ouvir no chamado quarteirão europeu, com apelos à libertação daqueles que apelidam de presos políticos.

Os independentistas continuam a insistir na mediação internacional, que tarda em chegar, já que a União Europeia continua ao lado do governo central de Madrid.

“Precisamos que a Europa nos escute e que diga ao governo espanhol que já chega, que não pode fazer mais nada e que deve deixar a Catalunha obter a autodeterminação, se autogovernar e decidir aquilo que quer ser”, disse Maties Seraracant, presidente da câmara de Sabadell.


Já a associação comercial catalã “Empresaris de Catalunya” consegue ser recebida em instituições europeias, nomeadamente no Parlamento.

A organização defende a manutenção da Catalunha como parte de Espanha e queixa-se do facto de mais de 2000 empresas terem mudado a sede social para outras regiões.

“Estamos a assistir a uma paralisação da economia e não podemos continuar assim. Não podemos ter um governo antidemocrático e irresponsável como o que governava a região e que se declarou acima da lei. O nacionalismo e o populismo são maus para os negócios”, disse Carlos Rivadulla, vice-presidente.