Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Black Friday" do Japão à Amazon

"Black Friday" do Japão à Amazon
Tamanho do texto Aa Aa

A campanha de vendas “Black Friday” arrancou esta quinta-feira no Japão, para coincidir com o feriado japonês. Gigantes do retalho como a Aeon e a Rakuten, fazem promoções até domingo, para aumentar os rendimentos antes das tradicionais vendas de final de ano.

Nos Estados Unidos, a Sexta-Feira Negra segue-se ao Dia de Ação de Graças e funciona como o maior impulso anual às compras, com os retalhistas a aplicar os maiores saldos do ano na caça ao cliente.

“O fim de semana da Black Friday pode relançar um retalhista ou quebrá-lo, principalmente porque marca o início da temporada de compras de férias, que é o maior trimestre em termos de vendas e ganhos para um retalhista. Ou seja, se os consumidores não conseguem obter descontos de pelo menos 40%, não se lhe pode chamar um bom negócio de Black Friday”, disse Jharonne Martis, diretora de pesquisa de consumo na Thomson Reuters.

Os trabalhadores da Amazon na Itália e na Alemanha aproveitaram a “Black Friday“para lançar, esta quinta-feira, um apelo à greve, alertando para as condições de trabalho nas filiais do gigante do comércio electrónico.

“É o melhor dia para nos fazermos ouvir e pressionar um empregador que nos ignora há anos, quando os problemas dos funcionários, nomeadamente de saúde, são recorrentes na Alemanha e no resto do mundo”, disse à AFP Thomas Voss, porta-voz do sindicato Verdi, a principal organização sindical alemã do setor dos serviços.


No ano passado, a “Black Friday” entrou para a história como o primeiro dia a gerar 3 mil milhões de dólares de vendas “online” em território norte-americano.