Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Autoridade Palestiniana espera mais apoio da União Europeia

Autoridade Palestiniana espera mais apoio da União Europeia
Tamanho do texto Aa Aa

A Autoridade Palestiniana acusou Donald Trump de “minar deliberadamente os esforços de paz” e espera que a União Europeia condene de forma mais veemente a decisão do Presidente dos EUA de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

“A Autoridade Palestiniana, bem como o povo palestiniano, esperam que a União Europeia reconheça o Estado da Palestina, com base nas fronteiras de 1967, tendo como capital Jerusalém Oriental. É a resposta mínima à ação de Donald Trump”, disse, à euronews, Abalrahim Alfarra, embaixador da Palestina junto da União Europeia.

A chefe da diplomacia da União, Federica Mogherini, reiterou, quinta-feira, que o bloco defende a solução de Jerusalém como capital de dois Estados, o de Israel e o da Palestina.


“Se os EUA se identificam cada vez mais com a posição de Israel, como é que podem ser um mediador legítimo? Talvez seja a altura da União Europeia assumir o papel de mediador”, disse, à euronews, Michael Gunter, professor de Ciência Política na universidade norte-americana Tennessee Tech.

O anúncio feito por Donald Trump foi criticada por grande parte da comunidade internacional e levou à convocação, para sexta-feira, de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU.


Os países com representação diplomática em Israel têm as embaixadas em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções das Nações Unidas, de que o estatuto de Jerusalém deve ser definido em negociações entre israelitas e palestinianos.

Uma lei norte-americana de 1995 solicitava ao governo de Washington a mudança da embaixada para Jerusalém, mas essa medida nunca foi aplicada, porque os Presidentes Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama adiaram sua implementação, a cada seis meses, com base em “interesses nacionais”.