Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Merkel encontra-se com Schulz e tenta evitar eleições anticepadas

Merkel encontra-se com Schulz e tenta evitar eleições anticepadas
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de dois meses depois das eleições Federais na Alemanha, os sociais-democratas do SPD (centro-esquerda) deram início a uma série de encontros com os conservadores da CDU-CSU de Angela Merkel, com o objetivo de ultrapassarem a incerteza política em que vive mergulhada a primeira economia da zona euro.

Merkel espera muito desta aproximação ao partido de Martin Schulz, o segundo candidato mais votado nas eleições, depois de ter perdido votos para a extrema-direita do partido Alternativa para a Alemanha (AFD).

Schulz avisou, depois das eleições, que o SPD iria ser "o primeiro partido da oposição", rejeitando assim, na altura, uma segunda experiência de coligação central, como a formada entre SPD e CDU, em 2013.

Falhanço de outras negociações

No entanto, depois do falhanço das conversações entre Merkel e outras forças políticas, a Chanceler não teve outra opção e aproximou-se de Schulz.

O encontro teve lugar depois de conhecidas algumas condições impostas pelos sociais-democratas: Merkel deverá fazer concessões a nível das prestações sociais.

Os media alemães dizem que Martin Schulz deverá insistir na necessidade de aumentar os gastos com a educação e de que seja implementada uma reforma dos sistemas de saúde.

As principais preocupações de Merkel incluem reduzir os gastos e os impostos, assim como o desenvolvimento da economia digital.

Para além de Angela Merkel e Martin Schulz, esteve presente também o líder da CSU bávara, Alexander Dobrindt.

Uma segunda opção é a chamada KoKo (das palavras em alemão coligação de cooperação), sistema segundo o qual os sociais-democratas poderiam acordar trabalhar em conjunto com Merkel em certas áreas, como o orçamento de Estado e os Negócios Estrangeiros.