Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Europeus pedem explicações aos EUA sobre reforma fiscal

Europeus pedem explicações aos EUA sobre reforma fiscal
Tamanho do texto Aa Aa

A reforma tributária do Presidente dos EUA pode transformar o país numa espécie de paraíso fiscal gigante e está a preocupar a União Europeia.

Os Estados-membros pediram à Comissão Europeia que investigue se a reforma viola os compromissos daquele país enquanto membro da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económico e da Organização Mundial do Comércio.

“Realcei essas preocupações numa carta conjunta com outros membros do colégio e enviada às autoridades relevantes dos EUA para garantir que a reforma tributária não cria situações que sejam, de fato, discriminatórias contra as empresas europeias”, disse Valdis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia, quarta-feira, em conferência de imprensa.

A redução de impostos para as empresas de 35% para 21% é vista como mais uma medida protecionista de Donal Trump e é criticada pela Eurodad, organização não-governamental europeia dedicada à redução da pobreza e desenvolvimento financeiro.

“É o início de uma competição fiscal muito preocupante, algumas vozes falam mesmo de uma guerra de impostos. Isso prejudica a cooperação internacional. A globalização começa a transformar-se em competição em vez de cooperação entre os governos e isso é muito preocupante”, disse, à euronews, Tove Maria Ryding, coordenador para a Justiça Fiscal dessa organização.

Donald Trump defende que uma das suas grandes prioridades é que o país se mantenha como a primeira economia mundial e travar a progressão chinesa.

Entre os aspetos mais controversos, além da redução de impostos sobre os rendimentos mais altos, a legislação acaba com a obrigação sobre o seguro médico a partir de 2019, contrariando a reforma do ex-Presidente Barack Obama, e permite, pela primeira vez, as prospeções de petróleo e gás natural no Ártico.

Os democratas já criticaram duramente a medida e um dos líderes do Partido Democrata no Congresso, Joseph Crowley, afirmou que os republicanos abandonaram a classe média norte-americana.

“O plano de impostos do Partido Republicano é uma farsa que vai agravar o défice e vai deixar para trás aqueles que o Partido Republicano prometeu ajudar”, disse.

“Os interesses corporativos e os norte-americanos ricos, incluindo a família Trump, são aqueles que querem ver a diminuição dos impostos”, acusou Crowley.