Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O ano de 2017 no Cinema: Grandes prémios e grandes gafes

O ano de 2017 no Cinema: Grandes prémios e grandes gafes
Tamanho do texto Aa Aa

O ano de 2017 foi um ano em grande para o cinema, com êxitos de bilheteira, superheróis e bom Cinema Europeu. Uma prova de que a qualidade e o sucesso podem coexistir.

Os grandes encontros do cinema europeu começaram em fevereiro com a Berlinale. Paul Verhoeven, realizador e produtor holandês, foi o presidente do júri.

O Urso de Ouro foi para On Body and Sould, da húngara Ildiko Enyedi. O filme recebeu também o prémio da FIPRESCI, a Federação Internacional de Críticos de Cinema.

On Body and Sould conta uma história de amor passada num matadouro de Budapeste. Dois trabalhadores descobrem que partilham um sonho: transformam-se em viados e encontram-se num bosque.

A última vez que um filme húngaro venceu um prémio tão importante na Europa foi há 42 anos.

Este foi também um ano de gafes, ou melhor, o ano da grande gafe. Neste caso, o acidente teve lugar durante a entrega dos Oscar.

O prémio para melhor filme foi anunciado para La La Land, por causa de um engano com a entrega dos envelopes. Tudo não passava de um erro, algo que depressa foi dado a tentender pelos apresentadores em palco.

Erro corrigido, sensação de desconforto e embaraço transmitidas em direto para o mundo inteiro e Moonlight, de Barry Jenkins, recebeu a estatueta.

Foi a primeira película com um casting completamente negro e de temática LGBT a receber o Oscar para Melhor Filme

Moonlgiht conseguiu três Oscares dos oito aos que estava nomeado.Um êxito de bilheteira. Mais de 60 milhões de euros em receitas para um orçamento inferior a quatro milhões.

A comédia musical romântica La La Land, de Damien Chazelle, venceu seis das 14 estatuetas às que estava nomeada. Venceu também sete Globos de Ouro e cinco prémios BAFTA

Em França, Pedro Almodovar presidiu ao juri de Cannes este ano. A Palma de Ouro foi para The Square, do sueco Ruben Östlund. “Um crítica à ditadura do politicamente correto”, disse Pedro Almodovar, ao elogiar o filme.

The Square conta a história de um curador de um museu de arte contemporânea em Estocolmo. Um drama que satiriza o mundo das artes e dos media. Foi também nomeado como candidato sueco ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

O realizador mexicano Guillermo del Toro foi o grande vencedor em Veneza este ano com The Shape of Water, A Forma da Água, um conto de fadas passado na Guerra Fria.

O filme venceu também um prémio para a melhor banda sonora em Veneza. The Shape of Water conta a história de uma mulher muda e de um humanoide anfíbio, mantido num laboratório do Governo, onde ela trabalha.

Em Espanha, o grande prémio para melhor filme do júri internacional do Festival de Cinema de San Sebastián foi para The Disaster Artist, de James Franco.

Uma comédia em homenagem a Tommy Wisau, realizador de The room, A Sala, considerado o pior filme do mundo. O filme é também uma sátira à Hollywood e à industria do cinema. Franco interpreta o papel principal.