Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Juan Diego Flórez estreia-se na ópera "Os Contos de Hoffman"

Juan Diego Flórez estreia-se na ópera "Os Contos de Hoffman"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O tenor peruano Juan Diego Flórez dá voz a um novo desafio e estreou-se como protagonista na ópera “Os Contos de Hoffmann”, de Jacques Offenbach, em Monte Carlo. Ao lado tem a especialista em coloratura Olga Peretyatko, que assume quatro papéis femininos.

Flórez dá vida a um poeta, que se perde em mundos surreais. É um conto onde o real se mistura com o imaginário. No papel principal na Ópera de Monte Carlo está o famoso tenor peruano Juan Diego Flórez.

“Estou muito entusiasmado porque é a minha estreia como Hoffmann. Este é, naturalmente, um dos pontos altos do repertório francês para um tenor”, disse Juan Diego Flórez em entrevista à Euronews.

A ópera do final do período romântico baseia-se nas “viagens” do visionário escritor Ernst Theodor Amadeus Hoffmann, que se torna o protagonista dos próprios contos.

“Mais do que um papel de canto – claro que é preciso cantar de forma brilhante – penso que Hoffmann é um papel de ator. Mais do que pensar nas notas tenho de pensar nas palavras”, explica o tenor peruano.

Na ópera são quatro as mulheres que atormentam o coração do poeta: uma estrela da ópera, uma boneca de corda, uma cantora lírica e uma cortesã. Todas as partes foram compostas para serem desempenhadas por uma única soprano. A russa Olga Peretyatko abraçou a tarefa hercúlea.

“Estes são os meus papéis de sonho, a performance de sonho, na qual posso mostrar diferentes personagens. É preciso trabalhar com os contrastes. Quando mudam as cores tornamo-nos de seguida outro personagem”, explica Olga Peretyatko.

Offenbach, muito conhecido pelas operetas irresistíveis, desejou sempre ser reconhecido como um compositor de ópera sério.

“Esta é uma obra-prima que reflete sem qualquer dúvida algum sofrimento. Durante toda a vida escreveu obras cómicas, operetas, coisas que faziam rir os parisienses. Guardou para ele este grande drama do artista incompreendido”, revela o diretor da Ópera de Monte Carlo, Jean-Louis Grinda.

O tenor Juan Diego Flórez sublinha: “Tal como Offenbach, Hoffmann também tenta ser levado a sério. Está à procura da poesia, do talento. No final, Hoffmann conseguiu. Reconquistou o talento e é reconhecido como penso que Offenbach queria ser.”