Última hora

Última hora

“Baronesa” da brasileira Juliana Antunes vence prémio do júri do Festival do Documentário de Salónica

Em leitura:

“Baronesa” da brasileira Juliana Antunes vence prémio do júri do Festival do Documentário de Salónica

“Baronesa” da brasileira Juliana Antunes vence prémio do júri do Festival do Documentário de Salónica
Tamanho do texto Aa Aa

O Festival de Cinema Documental de Salónica, na Grécia, acaba de celebrar vinte anos. Em 2018, a programação incluiu mais de duas centenas de documentários e a habitual competição.

Por ocasião do vigésimo aniversário, queríamos mostrar que o documentário é um género espetacular e é, muitas vezes, mais entusiasmante que a ficção com atores.

O Alexandre de Ouro, o prémio principal do festival, foi atribuído a “The Distant Barking of Dogs”. Realizado por Simon Lereng Wilmont, o documentário retrata a vida de um rapaz de dez anos que vive na fronteira entre a Rússia e a Ucrânia, rodeado por armas e pelo ruído das explosões.

“Baronesa” da realizadora brasileira Juliana Antunes venceu o prémio do júri. A equipa, quase exclusivamente feminina, retratou uma favela de Belo Horizonte. O filme adota o ponto de vista das mulheres da favela.

“Por ocasião do vigésimo aniversário, queríamos mostrar que o documentário é um género espetacular e é, muitas vezes, mais entusiasmante que a ficção com atores. O nosso objetivo, no futuro, é apresentar documentários que são também dramas, comédias, aventuras, thrillers e animações, documentários que revelam os diferentes aspetos do mundo”, afirmou Orestis Andreadakis, diretor do Festival de Cinema Documental de Salónica.

Este ano, o festival prestou homenagem ao cinema experimental de Véréna Paravel e Lucien Castaing-Taylor. Os dois realizadores que são também antropólogos na Universidade de Harvard, restabelecem os laços entre a humanidade e o mundo que a rodeia.

“Penso que os nossos filmes são menos antropocêntricos do que a maioria dos documentários. Não diria que os humanos não são importantes. Eles são muito importantes mas é preciso um reequilíbrio em função dos outros elementos do universo”, sublinhou Véréna Paravel.

“Nós somos uma parcela do mundo e do ambiente e penso que os humanos esquecem esse facto e por isso estamos a destruir o ambiente. Outro aspeto, somos o único animal que esquece que é um animal. Pensamos que somos totalmente únicos e que não temos nada a ver com o ambiente, com as outras espécies e com o mundo inanimado. A nossa esperança é recriar os laços entre a humanidade, os outros animais, o mundo vegetal e mineral”, considerou Lucien Castaing-Taylor.

Em paralelo, o festival organiza um mercado, o Agora Doc Market, que permite encontrar parceiros de produção para novos projetos.

“Correu tudo muito bem, este ano. Tivemos uma maior participação dos profissionais da indústria. Graças a novas colaborações, tivermos um resultado muito positivo. Aconteceram coisas muito úteis. Esperemos que nos próximos anos vamos poder ver novos projetos em Tessalónica e noutros festivais internacionais”, disse Yianna Sarri, diretora do evento.

Em 2018, o festival grego apresentou uma nova secção intitulada “Realidade Virtual” onde foram exibidos sete filmes.

“Foi uma experiência única. Nunca tinha experimentado a Realidade Virtual. Ainda estou a tentar perceber o que se passou, é inacreditável”, contou uma visitante.

“O festival já tem 20 anos. A cidade de Salónica apoiou-o desde o início, ajudando a transformá-lo. De um pequeno evento, passou a ser um marco importante no mundo do documentário. E as perspetivas de futuro são animadoras”, considerou Yorgos Mitropoulos, repórter grego da euronews.

Mais sobre cinema