A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

UE: Novas tarifas aduaneiras contra EUA em julho

UE: Novas tarifas aduaneiras contra EUA em julho
Direitos de autor
REUTERS/Yves Herman/File photo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em julho, os EUA vão começar a sentir o peso da decisão do presidente, Donald Trump, de começar uma guerra comercial por causa do aço e do alumínio. A União Europeia vai aumentar em 25% os impostos de importação sobre vários produtos.

É uma resposta proporcional à decisão unilateral e ilegal tomada pelos Estados Unidos de impor tarifas

Maroš Šefčovič Comissário Europeu para a União da Energia

"A aplicação das tarifas aduaneiras de reequilíbrio está totalmente de acordo com as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC). É uma resposta proporcional à decisão unilateral e ilegal tomada pelos Estados Unidos de impor tarifas sobre as exportações europeias de aço e alumínio, algo que lamentamos", disse o comissário europeu Maroš Šefčovič, quarta-feira, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

Motos, calças de ganga, uísque e sumo de laranja são alguns dos produtos norte-americanos que vão ter mais dificuldade em competir no mercado europeu, um dos seus principais parceiros comerciais.

A União Europeia vai, também, pôr em prática medidas de salvaguarda para a indústria siderúrgica, que poderá perder 40% de quota de mercado por causa desta guerra comercial.

Os Estados-membros têm, agora, de se pôr de acordo sobre se todos os produtos da lista serão realmente tributados ou apenas uma parte.

A Alemanha, que tem mais a perder com uma guerra comercial com os Estados Unidos, tem estado bastante relutante em taxar todos os produtos da lista, mas não deverá quebrar a unanimidade.

"Recebemos o total apoio de todos os Estados-membros sobre as medidas agora propostas", disse o vice-presidente do executivo europeu, Jyrki Katainen, na quarta-feira.