Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

UE: Novas tarifas aduaneiras contra EUA em julho

UE: Novas tarifas aduaneiras contra EUA em julho
Direitos de autor
REUTERS/Yves Herman/File photo
Tamanho do texto Aa Aa

Em julho, os EUA vão começar a sentir o peso da decisão do presidente, Donald Trump, de começar uma guerra comercial por causa do aço e do alumínio. A União Europeia vai aumentar em 25% os impostos de importação sobre vários produtos.

É uma resposta proporcional à decisão unilateral e ilegal tomada pelos Estados Unidos de impor tarifas

Maroš Šefčovič Comissário Europeu para a União da Energia

"A aplicação das tarifas aduaneiras de reequilíbrio está totalmente de acordo com as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC). É uma resposta proporcional à decisão unilateral e ilegal tomada pelos Estados Unidos de impor tarifas sobre as exportações europeias de aço e alumínio, algo que lamentamos", disse o comissário europeu Maroš Šefčovič, quarta-feira, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

Motos, calças de ganga, uísque e sumo de laranja são alguns dos produtos norte-americanos que vão ter mais dificuldade em competir no mercado europeu, um dos seus principais parceiros comerciais.

A União Europeia vai, também, pôr em prática medidas de salvaguarda para a indústria siderúrgica, que poderá perder 40% de quota de mercado por causa desta guerra comercial.

Os Estados-membros têm, agora, de se pôr de acordo sobre se todos os produtos da lista serão realmente tributados ou apenas uma parte.

A Alemanha, que tem mais a perder com uma guerra comercial com os Estados Unidos, tem estado bastante relutante em taxar todos os produtos da lista, mas não deverá quebrar a unanimidade.

"Recebemos o total apoio de todos os Estados-membros sobre as medidas agora propostas", disse o vice-presidente do executivo europeu, Jyrki Katainen, na quarta-feira.