Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mechelen: o "segredo" da integração de estrangeiros

Mechelen: o "segredo" da integração de estrangeiros
Tamanho do texto Aa Aa

A localidade de Mechelen era conhecida, há duas décadas, por ter das mais altas taxas de pobreza e criminalidade da Bélgica. Agora, é um exemplo de desenvolvimento local, incluindo na convivência das 130 nacionalidades que existem entre os 90 mil habitantes.

Considero que é muito importante lutar contra a segregação por forma a criar uma comunidade de cidadãos

Bart Somers Presidente da câmara, Mechelen (Bélgica)

O presidente da câmara, Bart Somers, ganhou o Premio Mundial do Autarca, em 2016, pelos bons resultados na integração de refugiados e migrantes, e a sua receita é fazer a ponte entre os locais e os recém-chegados.

Uma semana por semana, ao longo de seis meses, os "dois lados" da comunidade encontravam-se para se conhecerem e ajudarem os recém-chegados a aprenderem a língua local.

"Vivemos numa espécie de realidade "em modo" apartheid. Fala-se muito sobre os benefícios da diversidade, mas quantos de nós contactam, de facto, com pessoas de diferentes origens, na sua rotina? Considero que é muito importante lutar contra a segregação por forma a criar uma comunidade de cidadãos de Mechelen", disse o autarca à euronews.

Políticas ao nível da segurança e da requalificação de bairros pobres são prioritárias para Bart Somers. Além dos resultados práticos, também ajudam a travar discursos mais populistas.

"Se uma cidade tiver muita criminalidade e as ruas estiverem sujas, as pessoas culparão dois grupos. Primeiro, os políticos democráticos, e procurarão alternativas extremistas. Depois, os migrantes. É muito fácil dizer que os responsáveis pelo declínio da nossa cidade são os recém-chegados!"

Bart Somers até convidou um dos líderes europeus mais anti-migração - Viktor Orbán, primeiro-ministro da Hungria - para visitar a cidade onde vivem 20 mil muçulmanos, alegadamente mais do que nesse país e na vizinha Eslováquia juntos.

"Mechelen é um bom exemplo de integração. No entanto, para alcançar este resultado, as cidades europeias têm de enfrentar muitos desafios, tais como sobrecarga nas finanças públicas, a falta de coordenação internacional e, às vezes, a polémica política", realçou a jornalista da euronews, Elena Cavallone.

Os líderes dos Estados-membros da União Europeia têm discutido muito a necessidade de solidariedade com os países que são porta de entrada dos migrantes e refugiados. Para o Conselho Europeu dos Municípios e Regiões (CEMR) é preciso ter uma estratégia mais descentralizada.

“O problema é que os Estados consideram que a recepção dos migrantes é da sua responsabilidade, e isso é verdade. No entanto, quando as pessoas chegam, os municípios são aqueles que têm que enfrentar problemas de acolhimento, alojamento e outras questões urgentes. É por isso que pedimos um orçamento europeu dedicado a ajudar as autoridades locais que estejam dispostas a acolher refugiados, de modo a ajudá-los nessa tarefa”, explicou Frédéric Vallier, secretário-geral do CEMR.

A União Europeia está muito dividida nesta questão: além dos países do leste e do centro europeu, os países nórdicos também se alinham pela contenção de migrantes. Já países do sul, tais como França, Espanha e Portugal, continuam a defender uma política de acolhimento equitativa.