A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Afegão propõe mentorado para integrar refugiados

Afegão propõe mentorado para integrar refugiados
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Ajmal Maarij, de 27 anos, sonhou ser político ou alto funcionário para ajudar a trazer a paz e a democracia ao Afeganistão. Mas o conflito que se arrasta no país, há décadas, obrigou-o a procurar refugio na Bélgica, em 2012.

A História mostra que todos os seres humanos se movimentam, não há fronteiras rígidas, todos se movem por todo o mundo

Ajmal Maarij Refugiado afegão

À beira de obter a nova nacionalidade, trabalha num centro de acolhimento da Cruz Vermelha para requerentes de asilo. À euronews comentou a nova tendência restritiva da política europeia de migração e asilo.

"Dói ver que os europeus tentam empurrar os migrantes de volta aos seus países, onde não se sentem seguros, onde não têm uma vida. A História mostra que todos os seres humanos se movimentam, não há fronteiras rígidas, todos se movem um pouco por todo o mundo. Está provado que são apenas os jogos políticos que criam bloqueios para os refugiados, mas seja de que forma for, vão continuar a vir".

Esta semana, a Alemanha deportou 69 cidadãos afegãos, cujos pedidos de asilo foram rejeitados, mostrando a vontade de acabar com a política de "porta aberta".

Tendo estudado ciências políticas, sociologia e economia, na Índia, Ajmal propõe aos líderes europeus uma alternativa, baseada na integração através do mentorado.

"Seria bom criar um caminho adequado para os refugiados, integrando-os em cada país, independentemente de para onde vão. Deveria haver um representante de cada comunidade de refugiados e esses representantes deveriam ser convidados pela imprensa, por quem organiza seminários e conferências, de modo a poderem criar consciencialização sobre a questão dos refugiados. E isso ajudará os refugiados a seguir os seus passos e a pedir orientação".