EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Theresa May continua mas o descontentamento persiste

Theresa May continua mas o descontentamento persiste
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Andrew Bridgen afirma que o plano para o Brexit é uma capitulação perante a União Europeia.

PUBLICIDADE

A primeira-ministra Theresa May tem um talento para sobreviver. A sua rápida renovação do governo na segunda-feira garante-lhe pelo momento a permanência no número 10 de Downing Street. A primeira-ministra postou até uma fotografia do renovado governo no Twitter com a legenda "todos aqui para preparar uma semana ocupada no trabalho."

Mas há quem esteja insatisfeito com a primeira-ministra. Segundo os estatutos do partido conservador, são precisas 48 cartas dos seus deputados para ativar uma moção de censura e iniciar o processo de desafio à liderança.

O deputado conservador Andrew Bridgen chegou ao ponto de declarar que assinou uma carta e publicou-a, onde afirma que os planos que a primeira-ministra desvendou constituem uma capitulação perante a União Europeia, e que deve ser colocada uma moção de censura ao governo.

O deputado referiu: "Na reunião de ontem do ERG-European Research Group, facção eurocéptica do partido conservador liderada por Jacob Rees-Mogg, mais de sessenta deputados expressaram o seu descontentamento com a política apresentada pela primeira-ministra no chamado plano Chequers. Não é claro quantos destes deputados querem ter neste momento uma eleição para a liderança do gorverno, não é um momento conveniente. Penso que a única maneira de manter este país unido é travar esta política."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Jovem de 13 anos morre após ataque com espada em Londres

Sunak anuncia: voos de deportação do Reino Unido para o Ruanda devem começar dentro de poucos meses

Cozinhou, arrumou e até entregou refeições: príncipe William voltou aos compromissos públicos