Última hora

Última hora

Escola Europeia abre na Geórgia para reforçar Parceria de Leste

Em leitura:

Escola Europeia abre na Geórgia para reforçar Parceria de Leste

Escola Europeia abre na Geórgia para reforçar Parceria de Leste
Tamanho do texto Aa Aa

Na pequena cidade de Kareli, na Geórgia, vive uma jovem que sonha ter uma carreira na política internacional como diplomata. Miriam Kebadze está agora mais perto de realizar esse sonho porque recebeu um das bolsas de estudo para 30 jovens, do nível secundário (16 e 17 anos), que vão frequentar a primeira Escola Europeia, no âmbito da Parceria de Leste, financiada pela União Europeia.

Penso que a União Europeia é um dinossauro político. É um projeto forte, mas que não se atualizou no século XXI"

Ulvi Gitaliev Estudante, Azerbaijão

"Estou um pouco nervosa porque provavelmente será difícil para os alunos, mas espero que tudo corra bem no meu primeiro ano de estudos", disse Miriam Kebadze à euronews.

A escola fica em Tbilissi, capital da Geórgia, e recebe alunos da Arménia, Azerbaijão, Bielorrússia, Geórgia, Moldávia e Ucrânia, os seis países que pertencem à parceria de Leste com a União Europeia.

Os jovens almejam receber o Diploma de Bacharelado Internacional em Estudos Europeus. Alguns alunos, como Constantin Arhip, da Moldávia, sentem-se inspirados pelo projeto comunitário.

"Não existem fronteiras na Europa, todos partilham os mesmos valores: liberdade, igualdade, Estado de direito. Gosto disso, é isso que a Europa significa para mim", disse à euronews.

Já um colega vindo do Azerbaijão, Ulvi Gitaliev, é mais crítico: "Penso que a União Europeia é um dinossauro político. É um projeto forte, mas que não se atualizou face às exigências do século XXI".

"É por isso que um país como o Reino Unido quer sair, que se vêem fraturas internas ao nível de questões tais como a economia, a migração, entre outras. Penso que a União Europeia está numa situação algo perigosa em termos do seu futuro", acrescentou.

O projeto da Escola Europeia da Parceria de Leste custou sete milhões de euros.

A enviada especial da euronews, Elena Cavallone, explica que "dar novas perspectivas aos jovens é uma das prioridades da cooperação entre a União Europeia e os países da Parceria de Leste. Numa região marcada por instabilidade política, a possibilidade de conviver num curso de estudos internacionais pode aproximar as novas gerações e promover a paz e a segurança nesses territórios".

Em causa estão os conflitos mais ou menos acesos com a Rússia. No caso da Geórgia, que se declarou independente da União Soviética, em 1991, o mais recente conflito foi em 2008, com a ocupação russa da região da Ossétia do Sul.

O comissário europeu para a Política de Vizinhança e Alargamento, Johannes Hahn, esteve presente na inauguração, a 4 de setembro, e disse à euronews que é um esforço significativo no estreitamento de laços a nível da sociedade civil.

"Temos que lidar com nossos vizinhos, temos que melhorar não apenas o relacionamento, mas também as condições de vida nos países da vizinhança porque tal tem um impacto imediato para os países da União Europeia. É uma forma de exportar estabilidade para a região vizinha em vez importar instabilidade para a nossa União", disse o comissário.

Outros países da Parceria de Leste já se mostraram interessados em receber uma Escola Europeia.