Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Jane Fonda, atriz e ativista, premiada no Festival Lumière

Jane Fonda, atriz e ativista, premiada no Festival Lumière
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A atriz e ativista Jane Fonda recebeu a distinção máxima do Festival Lumière, em Lyon.

Todos os anos, o festival francês atribui um prémio a uma grande figura da sétima arte. Fora do mundo do cinema, Fonda ficou conhecida como militante pacifista contra a guerra no Vietname e ativista pelos direitos das mulheres.

Todos os anos, a programação do festival francês dedicado aos filmes históricos inclui masterclasses e encontros com figuras da sétima arte. Este ano houve também exposição sobre Charlie Chaplin. O neto de Charlot marcou presença em Lyon, a cidade onde os irmãos Lumiere inventaram o cinematógrafo.

"Para mim, o maior prazer é receber a energia das origens do cinema. É algo importante hoje num mundo onde tudo evolui rapidamente poder parar e olhar para as lições do passado", sublinhou James Thierree, neto de Charlie Chaplin.

"É um festival do público. Quando vamos ver um filme estamos com o público. Lembra-me o tempo em que eu era um espetador sonhador, que sonhava em ser ator", contou o ator francês Tahir Rahim.

Javier Bardem foi um dos convidados de honra, participou em masterclasses e apresentou filmes. Em 2012 realizou um documentário sobre os refugiados do Saara.

"A Europa deve parar de condenar as ONG como Open Arms e Aquarius que salvam vidas. Salvar vidas não é um crime, é um direito humano, elas estão a dar aos imigrantes prestes a afogar-se no oceano o direito à vida", disse Javier Bardem.

Nos anos 70 Jane Fonda participou numa série de ações contra a guerra do Vietname, o que deu origem a um filme em 1972 ("FTA Tour").

"O Festival não é político. São os filmes que são políticos. Muita gente ignora que nos 70 Jane Fonda, teve uma ação militante, que esteve sob escuta do FBI, que foi detida e que colocou o seu estatuto de estrela ao serviço de ideias pacifistas", sublinhou Thierry Fremaux, diretor do Festival.

No total, o público pode ver em Lyon 187 filmes.

"Há um oceano de filmes, uma programação infinita porque a história do cinema está cheia de tesouros", acrescentou Fremaux.