Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Gr3n vence o Prémio Radar de Inovação para a tecnologia "Upcycling" de PET

Gr3n vence o Prémio Radar de Inovação para a tecnologia "Upcycling" de PET
Tamanho do texto Aa Aa

O plástico é um dos maiores problemas que ameaçam o planeta. De acordo com estimativas, dos milhões de toneladas de plástico produzidos apenas uma percentagem mínima, de menos de 10%, é presentemente reciclada. O resto é levado para lixeiras ou aterros sanitários e ou é incinerado ou acaba no mar.

A empresa Gr3n (que se pronuncia "Green") é uma start-up fundada por Maurizio Crippa, um inventor italiano que está convencido que pode fechar o ciclo de reciclagem do plástico. O desafio da sua equipa é dar uma nova vida aos muitos objetos quotidianos que até agora eram deitados para o lixo porque não podiam ser processados em centros de reciclagem mecânica.

O jornalista da Euronews Cyril Fourneris foi até a cidade de Piacenza, na Itália, para conhecer a equipa da Gr3n, que está a construír um reator capaz de reciclar resíduos até agora impossíveis de tratar.

Maurizio Crippa explicou: "Certos materiais podem ser sujeitos a reciclagem mecânica. Por exemplo, recipientes para alimentos, normalmente garrafas incolores, e também algumas garrafas de cor. Já os têxteis não podem ser sujeitos a reciclagem mecânica. Porque da garrafa, podem produzir-se roupas, mas de roupas não podem produzir-se garrafas. Ou seja, a reciclagem mecânica é downcycling, [um processo de recuperação], mas com a nossa tecnologia podemos fazer upcycling, [isto é, recuperar materiais transformando-os em productos novos e melhores]."

A tecnologia inovadora

A Gr3n desenvolveu uma máquina capaz de isolar a resina poliéster, o politereftalato de etileno (PET), o material mais amplamente utilizado na indústria de vestuário e embalagens. Este processo, chamado de despolimerização, é impulsionado pelo reator de micro-ondas deste protótipo.

O engenheiro Franco Cavadini explicou que o processo tem “capacidade para fundir as características do sistema mecânico com a força do processo químico acelerado por micro-ondas numa única máquina."

O polímero termoplástico virgem extraído será usado para produzir de novo plástico ou roupas. A recuperação circular fica assim completa.

O prémio Radar de Inovação

No âmbito da Conferência de Tecnologias de Informação e Comunicação organizada pela Comissão Europeia no início de dezembro em Viena, o projeto ganhou o Prémio Radar de Inovação de 2018. O prémio Radar de Inovação visa identificar e distinguir inovações com elevado potencial de comercialização.

O projecto da equipa de Maurizio Crippa recebeu aclamação por parte do júri, que concedeu à Gr3n o prémio principal de inovação do ano, de entre as 20 empresas finalistas candidatas a prémios em cinco categorias. O prémio ajudará a empresa a atraír investidores, a fim de acelerar a comercialização da sua invenção.

Pia Erkinheimo, membro do júri do Innovation Radar Prize, comentou: "O caminho desde as ciências puras às ciências aplicadas, destas aos centros de pesquisa e desenvolvimento de grandes corporações, e por sua vez destas a outras empresas e às vendas, é um caminho demasiado longo. O desafio na Europa é o de criar atalhos ao longo do processo, para inovar e para ganhar competitividade."

O desafio futuro

A produção de plástico está em explosão a nível global. Aumentar a sua taxa de reciclagem significa reduzir a nossa dependência em relação ao petróleo, usado na sua fabricação. É também uma grande oportunidade financeira, tanto para as indústrias dos plásticos e do vestuário como para as próprias empresas de reciclagem.

Com uma nova máquina de maior capacidade a ser produzida já em 2019, a Gr3n pode olhar para o futuro com orgulho. "A próxima fase será a criação de uma unidade industrial com capacidade para cerca de 25 mil toneladas por ano. Esta capacidade pode fornecer a solução para a colecta de resíduos de uma área de cerca de 2,5 milhões de pessoas," revelou Maurizio Crippa.